Recomende este blog

São exactamente as nossas raizes culturais, familiares e sociais que nos distinguem.




quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Um saltinho até á Barroca

Já em 2012 no dia 15 de Outubro dediquei uma postagem  á Barroca, sobretudo recordando algum historial da aldeia  
.Barroca do Zezere


 Hoje  e já que ando aqui pela zona, vou dar um pulo até lá e subir á Nossa Senhora da Rocha e daí avistar e e regalar a vista com aquela paisagem maravilhosa que nos leva até ao Cabeço do Pião e aos aterros da areia que era extraida nas minas da Panasqueira transportada para aqui através de caldeiros que rolavam por cabos de aço até aqui, onde era lavada,  retirado o minério e depois deixada aqui em grandes quantidades.
Alguma dessa areia a que chamávamos Charrisca serviu e serve ainda hoje para quando misturada com alcatrão, asfaltar muitas das estradas da região e até do País.
Para aqueles que ainda não sabem, a Barroca é sede das lojas das aldeias de xisto,  Casa Grande da Barroca,  Centro de Interpretação de Arte Rupestre do Poço do Caldeirão Instalado num antigo solar setecentista, o espólio deste espaço museológico incide sobre representações e elementos informativos e de interpretação das manifestações de arte rupestre no Poço do Caldeirão, nas margens do rio Zêzere, e relaciona-as com as realidades ancestrais e atuais que caracterizam o território específico do Pinhal Interior. Pertence à Rede das Aldeias do Xisto.
Esta aldeia é hoje servida por uma ótima estrada Nacional 238 que a liga ao Fundão sede de concelho,ou  a Coimbra. depois existe  ainda M 545 que a liga á outra banda do Zêzere como Dornelas ou Barragem de Santa Luzia
 Fora do perímetro da aldeia, as construções dedicadas aos trabalhos do campo pontuam caminhos de terra batida, entre as pequenas propriedades disseminadas pelas encostas.
Quem visitar a Barroca e queira ter tempo para admirar todo o património e as belas paisagens para além das pinturas rupestres nas margens do Zezere, poderá usufruir de uma boa noite de repouso na


  • Pousada de Juventude da Mina
  • Cabeço do Pião
  • 6230-631 Silvares
  • Para comer tem uma enorme variedade de sugestões que lhe servirão para ficar a conhecer ainda melhor esta magnifica região do País tanto na ida como no regresso do almoço
  • Aqui mesmo na aldeia tem a
  • Esplanada
  • Estrada Nacional 238, 2-A, Barroca, Fundão
  • 6230-137 Barroca
  •  
  • Se quiser dar um salto até Janeiro de Cima sugerimos o 
  • Fiado Restaurante
  • Rua do Espírito Santo, nº 5 - Janeiro de Cima, Fundão
  • 6185-114 Janeiro de Cima
  • se por outro lado for até Silvares vai ter oportunidade de usufruir de belas paisagens a partir do alto de Silvares e comer na 
  • A Pedra do Lagar
  • Estrada Nacional 238, Silvares, Fundão
  • 6230-670 Silvares
  • (+351) 275 662 305

  • no que respeita a gastronomia para além dos Maranhos pode comer se Cabrito,  Bacalhau à Lagareiro ou Bacalhau à Brás
Se vier no Verão vai encontrar enormes espaços verdes  repletos de zonas refrescantes e um povo acolhedor que transformarão uma simples visita em momentos que desejará repetir

  •    
  • .
  • Depois temos as Praias Fluviais  Não só a água pura, fresca e límpida se fazem famosos estes locais, também os belos espaços envolventes e as diversas desculpas para o lazer e para o passeio, são mais que motivos para visitar e passar momentos inesquecíveis.
  • È tambem em Agosto que se realizam na aldeia as festas de verão em honra de Nossa Senhora da Rocha
  • normalmente no dia 15 de Agosto.

  • Desta romaria lembro me de quando era ainda rapazote virmos em grupos desde Bogas de Baixo para assistir á festa e descansávamos á sombra de um grande pinheiro manso que existia na altura onde hoje existe o cruzamento da estrada N238 com o acesso ao cabeço da Senhora da Rocha e a estrada para Alqueidão e Dornelas. Certamente que as pesoas mais idosas se lembrarão desse grande pinheiro que era tambem um ponto de referencia para a Barroca
  • Saimos da Barroca sem contudo a ter explorado melhor  já que a Barroca é hoje uma aldeia com grande projeção a nivel das terras de xisto e uma aldeia lendária povoada por gente simpática generosa e hospitaleira. Um outro dia voltaremos certamente

5 comentários:

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde,
Excelente fotorreportagem de barroca, conhece a mesma só pelo nome e por algumas fotos, gosto visitar aldeia pela cultura que conservam.
Abraço
ag

Luantes Luis Antunes disse...

Pois amigo
Fui sempre um adepto fervoroso da manutenção das minhas raizes e essas estão l´naquela aldeia perdida no Centro de portugal, rodeada de serras e pinhais linda muito linda como quase todas estas aldeias da Beira Interior. Gostaria de ter mais comentários até para incentivar a prosseguir esta luta contra o esquecimento deste lindo rincão de Portugal.
Mas as pessoas entram veem mas raramente deixam uma opinião
Um abraço amigo
Volte sempre

Victor Vicente disse...

Muito lindo mesmo. Sou Barrocense residente nos Estados Unidos desde há muitos anos. Já não vou lá desde 2004, ano em que minha mãe nos deixou.
Adoro relembrar essas historias.
Obrigado

Victor V.

Anónimo disse...

O Pinheiro manso não conheci, mas deixou o nome ao local onde se encontrava assim como as raizes... pois estas continuam lá. As minhas raizes tambem andam por ali perto. Cumprimentos.

Julio Mota disse...

Grande abraço Victor