Recomende este blog

São exactamente as nossas raizes culturais, familiares e sociais que nos distinguem.




quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Recantos e encantos da Cova da Beira

A Beira Baixa é sobejamente conhecida pelos seus queijos de qualidade, pela grande produção de cereja que é colhida anualmente recheada com algumas festas em sua hora tais como a de Alcongosta e  a do Ferro, respetivamente  situadas no concelho do Fundão e do concelho do Fundão.
Será eventualmente muito conhecida tambem pela sua beleza natural. Montanhas, florestas, rios, fauna e flora, para além das lindas aldeias cada uma com o seu uso, costume e tradição.
Vou iniciar a partilha de imagens desta linda região cá pelo extremo do concelho do Fundão, Bogas de Baixo e Janeiro de  Cima, são hoje uma Freguesia homogénea,
Aqui toda a gente poderá apreciar recantos de  grande beleza, casas de Xisto ou brasonadas, rios e ribeiras com as suas belas e repousantes praias fluviais
Ribeira de Bogas,Aqui estava projetada uma piscina fluvial que não teve grande utilização dado que a ribeira, na altura que a mesma era nescessária, normalmente está seca.
Construi-se uma bela piscina publica aqui ao lado, para gaudio das centenas de visitantes que visitam a aldeia durante os meses de verão
Depois subindo ao Penedo Mosqueiro deparamos com um belissimo parque de merendas divertimentos para as crianças, uma capela e uma maravilhosa paisagem ao seu redor


Se dermos uma voltinha ali pelo cabeço Zibreiro deparamo-nos com um lugar lindissimo a fazer nos lembrar as mais tradicionais aldeias de xisto espalhadas pela serra da Lousã.
Isto que estamos a ver é a velhinha aldeia de Ladeira de Nossa Senhora do Carmo


Daqui para Janeiro de Cima passamos pelo Maxial, atravesamos Bogas de Baixo e subimos até á Sernadela de onde se pode apreciar um belo recanto da Beira Baixa com o Rio Zezere lá ao fundo serpenteando, a caminho de Janeiro














Em Janeiro de Cima serão nescessários no minimo 2 dias para podermos ficar conhecedores das suas tradições, usos, gastronomia, das suas inumeras casas de xisto muito bem recuperadas

Mas isso ficará para a próxima postagem, já que hoje vamos apenas admirar os lindos recantos do Zezere em Janeiro de Cima

Um aspeto do açude aqui junto da praia fluvial

A Barca que servia antigamente para transportar pessoas e animais de uma margem para a outra, antes de termos as estradas que temos com as pontes atravessando o rio para além de modernos meios de transporte

A roda que faz lembrar a quem por aqui passa  especialmente os mais velhos a serventia que os diversos tipo de rodas tinham instaladas nos nossos rios e ribeiras

 Vejam como o rio zezere não é só fonte de diversão, é tambem uma fonte de riqueza nas regas do campo agricola  situado nas suas margens

E hoje fico me por aqui, mas vamos continuar em Janeiro de Cima na próxima postagem

9 comentários:

Anónimo disse...

Isaura Ventura Veiga

Quando eu era menina e morava na Pampilhosa era comarca de Arganil, neste momento não sei.

Luantes Luis Antunes disse...

Janeiro de Baixo será uma das próximas postagens e vou contar com as centenas de fotos dos janeirenses Embora Janeiro de Baixo pertença á Diocese de Coimbra de Coimbra, faz parte da Beira Baixa como o que sei através destas linhas (O concelho da Pampilhosa da Serra que tem por sede a antiga vila do mesmo Nome, situa-se na Beira interior do território nacional. Pertence ao distrito e Bispado de Coimbra, à província da Beira Baixa e é comarca.
Ocupa uma extensa área de cerca 396 Km2, sendo o maior concelho do distrito a que pertence. Integra as freguesias de Cabril, Dornelas do Zêzere Fajão, Janeiro de Baixo, Machio, Pampilhosa da Serra, Pessegueiro, Portela do Fojo, Unhais-o-Velho e Vidual de Cima.)

Anónimo disse...

Alvaro Henriques

fui ao Orvalho para aí à 40 anos atrás, fui almoçar a Bogas, gostei muito da zona

Anónimo disse...

Jose Pedro Nanas

Lindo, no Orvalho.

Luantes Luis Antunes disse...

Para que todos saibam e não apenas nós os dois, informo que o Parque de Merendas do Mosqueiro é propriedade de dois concelhos que o construiram em conjunto por se situar na divisão dos mesmos, aqui muito bem representados pelas freguesias de Orvalho por parte de Oleiros e União de Freguesias de Janeiro de Cima e Bogas de Baixo por parte do Fundão Um esclarecimento que se impunha

Anónimo disse...

é bonito está arranjadinho e cuidado , acho que nunca lá estive, pelo menos assim como está

Lourdes disse...

Bela postagem por uma bela região. Fico à espera da parte restante. Beijinhos.

Mário Trindade disse...

Estando aqui a preparar uma próxima viagem em ciclo-turismo eis que descubro valiosa informação neste Blog, obrigado.

Leonor disse...

O meu marido é do concelho do Fundão, tenho lá uma casa e quase 4 hectares de terreno.Não nasci nessa zona, mas adoro as cerejas e os queijos, principalmente o picante. Tenho uma questão meio idiota, não encontro quem me informe. Vivo no Algarve, tenho vindo a construir um "jardim botânico", tenho várias espécies que estão protegidas ou em vias de extinção. Gostaria de saber quais são as espécies de plantas que se podem adaptar a esse clima (que é frio). Outra questão é que tenho algumas colmeias e o meu marido diz que mel não havia na terra dele, assim como não havia batata-doce nem coentros (sem os quais não vivo). Tenho vindo a alimentar um projecto agrícola para esses 4 hct, mas não sou capaz de abdicar das colmeias, nem das plantas (aromáticas, medicinais, batata-doce, e o recentemente adquirido sumagre, para o qual até tenho potenciais clientes). Fico muito agradecida se alguém me puder indicar algum organismo, ou alguém, que me esclareça nestas dúvidas. Obrigado