Recomende este blog

São exactamente as nossas raizes culturais, familiares e sociais que nos distinguem.




sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Aldeias de trás de serra



Hoje vou percorrer um pouco das margens da ribeira do Tripeiro, que nasce na serra da Gardunha  ali nas bandas de Ribeira de Eiras passando ao lado da Partida até ao Tripeiro terra que lhe deu o nome, 
A partir daqui o seu caudal começa a aumentar por força da ribeira da Almaceda que tem a sua foz um pouco a sul da Martim Branco.
Um pouco mais abaixo volta a encontrar se com outra ribeira desta vez  a ribeira do Barbaído o que ao passar debaixo da ponte do Chão da Vã na estrada Nacional 112. podemos já ver alguns poços mais fundos e  agua normalmente todo o ano.
A ribeira do Tripeiro irá depois encontrar se com outros caudais como a ribeira da liria, etc  indo desaguar ao rio Ocreza ali mesmo ao lado da Taberna Seca um pouco antes de passar sob a ponte na estrada nacional 233 que liga Castelo Branco a Sobreira Formosa indo encontrar o IC8 um pouco antes de Proença a Nova
A ribeira do tripeiro tem ao longo do seu percurso algumas praias fluviais para gaudio das populações das suas margens, sendo a mais importante  a Praia fluvial do Muro
 porque pode benificiar um maior numero de aldeias  como Salgueiro do Campo, Palvarinho e Chão da Vã. e é nesta belissima localidade que me vou quedar hoje


Chão da Vã é uma pequena aldeia mas tem  bons acessos a partir da N112 que fica a 2 Kms
Há muitos anos atrás a Banda Filarmónica de Bogas de Baixo vinha a esta localidade abrilhantar a festa De Nossa Senhora da Guia
Eu fazia parte do elenco da Banda que há alguns anos deixou de existir.

Aqui nesta aldeia tive uma quinta á venda  e foi um sucesso porque o negócio acabou por se realizar bem como um outro pedaço de terra  com casa para reconstruir no outro lado da ribeira e que foi adquirido por um residente em Lisboa, certamente para vir passar alguns dias longe do rebuliço da cidade



Ainda dei um saltinho aqui perto a Camões, pequeno povoado que dá o nome a uma outra ribeira, a ribeira 
de Camões 
Ribeira - Camões

que vai desaguar á ribeira do tripeiro já perto da Praia Fluvial do Muro

Hoje fico me por aqui mas brevemente publicarei outras recordações, não saiam dos vossos lugares pois eu vou voltar

2 comentários:

João Dias Das Neves disse...

Parabéns Luís pelo belo itinerário. A última vez que molhei os pés na Ribeira do Tripeiro foi na Camões com o meu amigo João Marcelo (infelizmente já falecido) e os amigos Camões (Afonso, presidente da Lusa, e António)em casa do Zito ( meu colega de Liceu, (hoje juíz desembargador) e com o Amável dos Santos que eu não via desde os tempos do liceu há mais de 30 anos. Obrigado pela memória e pelas gratas recordações. Abraço

Luantes Luis Antunes disse...

Pois é verdade João
Também eu guardo gratas recordações destes recantos e posso garantir que Camões é pequena mas é uma aldeia muito simpática
Aparece mais vezes e dá uma ou outra dica para acrescentar no blogue
Abraço