Zêzere um rio totalmente beirão


O rio Zêzere é um curso de água da região do Centro, Portugal. Nasce na serra da Estrela, a cerca de 1900 m de altitude, junto ao Cântaro Magro. Ainda na zona da serra da Estrela, passa por Manteigas e próximo da cidade da Covilhã, seguindo depois para sudoeste, confluindo com o rio Tejo a oeste de Constância, após um curso de cerca de 200 km.
Imagem relacionada
 A nascente situa-se no circo glaciário, que define uma sucessão de três covões : Covão Cimeiro, Covão d'Ametade e o pequeno Covão da Albergaria.
Quase toda a extenção do seu percurso é exclusivamente na Beira Baixa

Resultado de imagem para rio zezere
O Zêzere é o segundo maior rio exclusivamente português, após o rio Mondego. A sua bacia hidrográfica tem 5043 km² (dos quais 1056 km² pertencem ao rio Nabão). Os grandes desníveis, aliados ao caudal de água (por vezes superior a 10 000 m³/s.), representam uma notável riqueza hidroelétrica, aproveitada em três barragens (Bouçã, Cabril e Castelo de Bode),

Resultado de imagem para rio zezere
O nome do rio tem origem árabe e significa "rio das Cigarras"
Os seus principais afluentes na margem direita são: o rio Alge, o rio Cabril, o rio Unhais, o rio Nabão, a ribeira de Paul e a ribeira de Pêra. Na margem esquerda encontramos a ribeira de Bogas, a ribeira de Rio Caria, a ribeira da Malhadancha, a ribeira da Isna, a ribeira de Meimoa, a ribeira da Sertã e a ribeira de Teixeira.
Resultado de imagem para rio zezere

(fonte wikipédia com fotos origem internet, de vários autores) 

CASTELO NOVO NAS ENCOSTAS DA GARDUNHA

Em plena alma da Serra da Gardunha, numa paisagem em anfiteatro natural, em tons de verde e        
 cinza, descobrimos Castelo Novo, Aldeia Histórica de Portugal, envolta numa aura de misticismo.

Resultado de imagem para CASTELO NOVO+FOTOS

 




Resultado de imagem para CASTELO NOVO+FOTOS


Aqui, sentimos algo de fascinante, que nos envolve e harmoniza. Tudo nos inspira… tudo nos cativa…. Desde o som da água que brota das fontes ao granito perpetuado que ergue a aldeia, e talha o casario,
 os templos, as calçadas, as praças… 


Resultado de imagem para CASTELO NOVO+FOTOS


Caminhar por Castelo Novo é provar contrastes de cores, sabores e texturas e quando achamos que já descobrimos tudo… No alto o imponente castelo, que guarda há mais de 800 anos história, uma herança templária defendida por corajosas muralhas. 


Resultado de imagem para CASTELO NOVO+FOTOS


Castelo Novo desperta-nos os sentidos: os cheiros da terra e das lareiras acesas no Inverno, as levadas da água nascente, que nos acompanham, e os sabores tão nossos: as castanhas, as cerejas, o azeite, o pão, o queijo e o vinho. Desvendemos as memórias das suas gentes, que guardam saberes ancestrais, que o vento ainda nos sussurra: 


Resultado de imagem para CASTELO NOVO+FOTOS


Lendas, contos e cantigas. Castelo Novo, uma mistura de experiências e emoções que nos enriquece. Um tesouro que permanece intacto à espera de ser vivido. Suba. Desça. Percorra. Sinta. Desvende. Ame Castelo Novo Parta à descoberta!

Resultado de imagem para CASTELO NOVO+FOTOS


(texto e fotos de vários autores recolhidas na internet)

VOUZELA Beira Alta


Vouzela é um concelho do distrito de Viseu, situada na província da Beira Alta, região do Centro (Região das Beiras) e sub-região do Dão-Lafões. Fica a 30 km de Viseu, a 60 km de Aveiro, a 2 km das Termas de São Pedro do Sul, a pouco mais de uma hora do Porto e a aproximadamente três horas de Lisboa.
o Concelho é composto pelas freguesias de: Alcofra, união de Cambra e Carvalhal de Vermilhas, Campia, união de Fataunços e Figueiredo das Donas, Fornelo do Monte, Queirã, S. Miguel do Mato, Ventosa e união de Paços de Vilharigues e Vouzela.


AGUIAR DA BEIRA

Aguiar da Beira é uma vila muito antiga e não se conhece a sua origem exata. Inclui apenas a localidade de Aguiar da Beira.

De entre os lugares do município, somente Aguiar da Beira tem estatuto de vila, sendo os restantes aldeias.
O setor primário é o setor económico com maior expressão no concelho. Na fruticultura, o concelho tem uma produção anual na ordem de quatro mil toneladas de maçã, bem como cerca de 150 toneladas de castanha.  Outro produto importante na economia de Aguiar da Beira é o Queijo Serra da Estrela, existindo sete queijarias licenciadas na região
O míscaro é um produto endógeno e abundante no concelho de Aguiar da Beira, pelo que existem numerosos pratos locais que têm este produto como ingrediente

Mais um ano quase passado


Passado que está o Natal estamos agora a gozar os ultimos dias de 2017
O ano como normalmente tem acontecido nos anteriores não vai deixar saudades a muita gente, mas se o próximo não for pior a gente já se sente mais ou menos feliz.
Isto porque as novidades para  para 2018 são de que o custo de vida vai continuar a aumentar e os rendimentos dos mais nescessitados não vão conseguir acompanhar.
Nós em Portugal vamos ficar mais uma vez privados de muitas coisas e a maior parte delas são essenciais para uma vida digna. Mas se pensarmos um pouco verificamos que muita gente estará  muito pior que nós por esse mundo fora.

A crise é geral, e há até muita gente que viveu e vive sempre em constante crise


e Sendo assim, aproveitem caros amigos e conterrâneos a celebração do Fim de ano na expetativa de o que vai entrar se enquadre bem melhor aos nossos gostos  e necessidades.

Para nós que habitamos neste pequeno Jardim á beira mar plantado há festas de fim de ano para todos os gostos e possibilidades

Aqui no Algarve onde tenho a sorte de morar, quase toda a gente gostaria de passar o fim de ano não tanto pelas suas iguarias e festas de  arromba mas muito especialmente porque esperam encontrar aqui um clima ameno a convidar para uma passagem de ano ao ar livre ou junto á praia a admirar os belos fogos de artificios com que as diversas autarquias costumam brindar os seus visitantes

NASCI NA BEIRA SOU BEIRÃO deseja um ano novo próspero para todo o mundo e especialmente para os meus amigos e leitores do Blogue.

No próximo ano continuaremos a calcorrear por montes e vales mostrando as Aldeias e Vilas de Portugal, muito especialmente da região das Beiras




ESTAMOS MESMO QUASE A CELEBRAR O NATAL

É Natal tempo da familia




Meus caríssimos amigos e amigas

Entrámos na quadra natalícia
Na Igreja Católica o Ciclo natalicio inicia se com a Vigília de Natal e dura até o festival de Batismo do Senhor que cai no Domingo após a Epifania (em 13 de Janeiro no calendário pré-VaticanoII e, em alguns círculos católicos mais tradicionais, a época de Natal foi formalmente estendida até Fevereiro o festival de Apresentação do Senhor, também conhecido com o Purificação da  Virgem, ou ainda festa da Candelária.
A novena de Natal inicia-se dia 16 de dezembro e vai até a véspera (24 de dezembro). A solenidade do Natal prolonga-se por oito dias após o dia 25, inclusive: é a Oitava do Natal. Na Igreja Anglicana o ciclo do Natal começa com a Oração da Noite na véspera de Natal e termina antes da Oração da Noite na véspera da Epifania (que pode ser celebrada em 6 de janeiro ou no Domingo entre 2 e 8 de Janeiro).
Mas para nós portugueses o Natal é quando um homem quiser, pois  todos os dias comemoramos o natal ou de um familiar ou de um amigo

mas saibamos viver e conviver nesta época festiva
desejo para todo o mundo um Natal cada vez melhor com mais saúde com muita paz e menos pobreza
Será muito difícil que os meus sonhos se realizem devido á crise que assola o nosso País e quase todo o mundo
Mas sonhar ainda não paga imposto nem o Governo pode entrar com os cortes a que nos habituou
Tenham um BOM NATAL

Mais uma lista de recordações


Em Bogas de Baixo minha terra natal não vivem actualmente mais de 80 ou 100 habitantes, mas é lá que mora um pedaço importante da minha vida e da minha família.

Hoje não é nada dificil chegar até Bogas comparadamente com o tempo da minha infancia quando não havia acessos nem transportes para nos podermos deslocar á sede do nosso concelho  o Fundão ou á capital de Distrito Castelo Branco que ficam as duas cidades  a iguais distancias da aldeia mais ou menos entre 45 e 50 kms. era nescessário um dia ou mais para os percorrer, ainda me lembro de os ter percorrido a pé ida e volta

 Quem passava nas redondezas facilmente se distraia e não reparava que Bogas existia e era ali mesmo onde ainda hoje se encontra muito mais vistosa  embora cada vez mais desertificada.

Mas nos meses de Verão especialmente em Agosto as suas ruas ficam com pouco espaço para estacionar mais um carro,
pois são  ás dezenas quase todos de matricula estrangeira especialmente francesas para onde as gentes da minha aldeia começaram a emigrar nos anos 60.

No inicio iam os homens, mais tarde  levavam as familias os filhos acabaram por frequentar as escolas francesas. constituiram familia os netos nasceram por lá em diversas cidades onde normalmente havia comunidades de emigrantes

E hoje Bogas de Baixo embora tenha realmente pouca atividade durante o ano, nos meses de Férias, datas festivas como o Natal, Páscoa e férias de Verão fica como já atrás referi a fervilhar de gente  jovem e idosos
porque em Bogas podem usufruir hoje de oportunidades diversas, como Piscinas publicas,

 Complexo Desportivo bem equipado assim como um Centro de Dia e Lar de idosos

Depois existe  o Café do Alfredo onde as caixas de minis já se amontoam á espera dos amantes da cerveja

A minha aldeia tem igreja Matriz com muitos anos de existencia uma capela onde mora Nossa Senhora das Dores
nossa Padroeira e um lindo monumento  em honra de Jesus Adolescente cujas festas se realizam no mês de Agosto de cada ano
Este pequeno pedaço de terra, no meio da natureza, é o local onde eu nasci e viveram os meus pais, os meus avós e bisavós,
 e muitos dos que lhes antecederam. E é também, em simultâneo, o local onde muitos deles ficaram
 fazendo questão de perpetuar a sua existencia no cemitério da aldeia, até hoje.


É lá que eu guardo memórias da minha infância. Da minha avó sentada, ao final da tarde, num banquinho de cortiça,

 com o sol a dar-lhe na cara, e com as suas mãos enrugadas, a remendar roupa ou a fazer uns  queijinhos frescos,
 cujo sabor ainda hoje recordo

 Quando a família se reunia, e as brincadeiras com os primos não tinham fim. faziam nos sentir um prazer enorme


A minha aldeia é o local onde não me desloco tantas vezes como aquelas que deveria e gostava,

O NOSSO POVO PRECISA DE ALEGRIA


Pois  como o titulo indica  esta  mensagem é dedicada ás nossas  gentes que após um ano  carregado de catastróficos acontecimentos precisa que venham novidades  e coisas  melhores para nos alegrar.
O fim do ano aproxima se a passos largos  e façamos todos uma forcinha para que o próximo seja diferente para melhor

Antes porém vamos pensando nas arvores de Natal no célebre bacalhau para a consoada , na familia que esperemos se possa juntar á volta da mesa na noite de Natal
E as filhós? ninguém se pode esquecer deste maravilhoso bolo simbolo do Natal

Os pinhais arderam em grandes extensões em todo o centro do País mas podemos valer nos das arvores artificiais que até podemos guardar para o Natal seguinte



Alegrem se porque ainda vai chover antes do natal e concerteza até poderemos ver a neve a cair e deixar o chão e as arvores cobertas com um manto branco
A musica muito especialmente a nossa.. musica popular portuguesa é tambem um motivo de alegria. por isso recheei o blogue com musicas do povo para o povo se alegrar enquanto vai desfolhando as paginas do blogue
VAMOS LÁ MINHA GENTE  HAJA ALEGRIA

A calamidade dos incêndios

ECOS DA ALDEIA vai hoje apresentar uma série de imagens que deixaram Portugal irreconhecível muito especialmente as nossas Beira Baixa,, Alta e tambem Beira Litoral

Vai se um ano para esquecer e vamos ter pela frente uma série de anos para voltar a ver tudo antes  lindos recantos de arvoredo, tudo verdinho e muitas casas recuperadas se é que tiveram recuperação possivel







estas imagens ficam para que no futuro as pessoas se recordem desta tragédia que em Portugal deixou uma enorme desolação e dor porque para além dos enormes prejuizos mareriais houve outro irrecuperável que foi a perda de muitas vidas humanas