Terras de Xisto no concelho do Fundão

São 27 as Aldeias do Xisto distribuídas pela Região Centro, num território de enorme beleza que oferece experiências únicas.

Na produção gastronómica, no artesanato, no alojamento e na animação cultural, as Aldeias do Xisto destacam-se pela apresentação de produtos, serviços e profissionais de excelência.

Das coisas da terra fazem-se novos produtos. Um rio faz-se pista de canoagem. Uma floresta faz-se trilho para caminhadas. Uma tradição antiga transforma-se num evento cultural único. Há praias fluviais de água puríssima, monumentos, castelos e museus para ver.

Dá gosto falar com as pessoas e partilhar as suas tradições, artes e histórias.

No concelho do Fundão , as mais conhecidas são a BARROCA,
 Nos anos de 1864 a 1890 a freguesia de Barroca tinha anexada a freguesia de Bodelhão, actualmente denominada Aldeia de S. Francisco de Assis, do concelho da Covilhã. Esta freguesia foi desanexada por decreto de 07/09/1895 e anexada à de Ourondo, do concelho da Covilhã.

 Por decreto de 07/09/1895 foram incluídos nesta freguesia os lugares que foram desanexados da freguesia de Dornelas do Zêzere, do concelho de Pampilhosa da Serra, distrito de Coimbra.

Do seu Património destacam se a Igreja de S. Sebastião (matriz) Capelas da Senhora da Rocha, de S. Romão, do Senhor da Agonia e da Senhora da Nazaré Casa Grande (e capela) Núcleo de gravuras rupestres da Barroca do Zêzere e Trecho do rio Zêzere

JANEIRO DE CIMA



Bogas de Cima uma aldeia com história

Esta Freguesia faz parte do concelho de Fundão. É composta pela sede de freguesia Bogas de Cima e pelas anexas Boxinos, Malhada Velha, Bogas do Meio e Descoberto Está limitada a norte pelas freguesias de Lavacolhos e Barroca, a sul pela União de freguesias de Janeiro de Cima e Bogas de Baixo, a oeste pela freguesia da Barroca, a leste pelo município de Castelo Branco e a nordeste pela freguesia do Castelejo Dista 32 km do Fundão, 43 km da Covilhãe 81 km de Castelo Branco


Os dados que se conhecem sobre a aldeia são a partir do século XVIII, quando se tornou sede de Freguesia. Bogas de Cima pertencia até então à freguesia de Silvares. A sua vizinha, Bogas de Baixo tinha pertencido à de Janeiro de Baixo, tendo-se autonomizado em 1694. Foi na segunda metade do século XVIII, que Bogas de Cima se tornou uma freguesia independente.
Em 1758 Bogas de Cima ainda se encontrava anexada à freguesia de Silvares e contava com dezena e meia de fogos. Actualmente Bogas de Cima é maior que a sua vizinha Bogas de Baixo.
Nestas 3 imagens vemos a Casa Redonda a atividade de confecionar o mel e o mel já prontinho a seguir para o mercado
linho e a sua tecelagem estão intimamente ligados à história de Bogas de Cima, havendo documentação desta actividade datada de 1892
Hoje  Bogas de Cima possui um ótimo Lar para a 3ª idade, Clube Desportivo Boguense ,Associação de Jovens e Idosos de Bogas de Cima, Cooperativa de Olivicultores da Ribeira de Bogas,Olho Vivo - Associação de Caça e Pesca
No Património Arquitétónico incuem se a Igreja Matriz, a Capela de São Sebastião, a Casa Redonda e ainda as Casas de Xisto
Na Gastronomia Destacamos os Maranhos, o Cabrito Estufado, o Caldo Verde e as Filhós

Especialidades da gastronomia do meu sítio

Resultado de imagem para ESPECIALIDADES GASTRONOMIA DA BEIRA BAIXA+FOTOS"

Filhós á moda do ORVALHO  concelho de Oleiros



RESTAURANTE FONTE DA VILLA
Localizado nas Sarzedas, aldeia (antes vila) incluida na rota das Aldeias de Xisto, o Fonte da Villa é um negócio familiar onde será para nós um prazer em breve poder recebe-lo ou te-lo de novo.

Tigelada
Esta tigelada serve-se especialmente como sobremesa de Páscoa.

Preparação -
  • Bata os ovos com a canela.
  • Dissolva a farinha num pouco de leite frio, junte o restante leite e em seguida adicione aos ovos juntamente com o açúcar. Mexa bem.
  • Saboreie, no concelho da Sertã, os afamados maranhos e o bucho recheado. E, para acompanhar, escolha um dos vinhos locais. Os Cartuchos de Amêndoa de Cernache do Bonjardim fazem as delícias dos mais gulosos. Descubra estas iguarias no anual Festival de Gastronomia do Maranho.  
  • Panela no forno á moda da Covilhã
Cabrito assado em forno de lenha

Resultado de imagem para ESPECIALIDADES GASTRONOMIA DA BEIRA BAIXA+FOTOS"
Rancho das beiras

OLHARES SOBRE A BEIRA BAIXA

Resultado de imagem para beira baixa+fotos"



Grupo Veracruz investe 50 milhões de euros em amendoal na Beira Baixa

Resultado de imagem para beira baixa+fotos"
Resultado de imagem para beira baixa+fotos"
Resultado de imagem para beira baixa+fotos"

BARROCA - FUNDÃO

Barroca é uma freguesia  do concelho do Fundão
Antigamente denominada Barroca e Bodelhão, viu o seu nome alterado para Barroca pelo decreto de 7 de Setembro de 1895, que anexou o lugar de Alqueidão à freguesia de Barroca e anexou à freguesia de OURONDO, a freguesia do Bodelhão.


O SEU RIQUISSIMO PATRIMÓNIO É COMPOSTO PELA
Igreja de S. Sebastião (matriz)
Capelas da Senhora da Rocha, de S. Romão, do Senhor da Agonia e da Senhora da Nazaré
Casa Grande (e capela)
Núcleo de gravuras rupestres da Barroca do Zêzere e 
Trecho do rio zezere

Nos anos de 1864 a 1890 a freguesia de Barroca tinha anexada a freguesia de Bodelhão, actualmente denominada Aldeia de S. Francisco de Assis, do concelho da Covilhã. Esta freguesia foi desanexada por decreto de 07/09/1895 e anexada à de Ourondo, do concelho da Covilhã. Por decreto de 07/09/1895 foram incluídos nesta freguesia os lugares que foram desanexados da freguesia de Dornelas do Zêzere, do concelho de Pampilhosa da Serra, distrito de Coimbra.


AS NOSSAS RAIZES, NA BEIRA


Visita Guiada á Beira Baixa

 FUNDÃO     Aspeto panoramico do Hotel Alambique
                                            FUNDÃO
   Uma linda cidade  na Beira a quem deram o nome de capital da Cova da Beira  rainha da cereja
 ALPEDRINHA considerada por muitos como  a Sintra da Beira
                                   Castelo de PENHA GARCIA
                                Castelo de Salvaterra do Extremo
 o povo a preparar a festa anual no DESCOBERTO concelho do Fundão
 Serra da Gardunha que para além dos seus cerejais é hoje uma força motriz de grande importancia na produção de eletricidade
                                    a aldeia de DESCOBERTO
                                    LADOEIRO   Largo da fonte
 Fortaleza de SEGURA, aldeia fronteiriça junto a Monfortinho e Piedras Albas (Espanha)
                                      Igreja Matriz do FUNDÃO
 FUNDÃO rainha da cereja, que pela imagem notam se grandes cerejais
 um aspeto da cidade com a Cova da Beira como pano de fundo
 Quando olhamos para esta imagem, é sinal que estamos em MEDELIM a apreciar a torre da Igreja
os ninhos das andorinhas num dos beirais das casas de MONFORTINHO

A NOSSA BEIRA BAIXA


A Beira Baixa, uma das onze antigas províncias tradicionais determinadas em 1936, confina com as regiões da Beira Alta a norte, da Beira Litoral a noroeste, do Ribatejo, a sudoeste, da Estremadura a oeste, e do Alto   Alentejo a sul.  Faz fronteira com Espanha, a leste. Abrange uma área de aproximadamente 7 800 km2 e compreende 13 concelhos: 11 do distrito   de Castelo Branco, um do distrito de Coimbra e um do distrito   de Santarém. 




O relevo é montanhoso, com destaque para as serras da Estrela    e da Gardunha, embora se encontrem também extensas áreas aplanadas, como a Cova da Beira e Idanha. 




O clima apresenta fortes contrastes   entre o inverno, chuvoso e frio, e o verão, seco e bastante quente. Na serra da Estrela a queda de neve é frequente durante o inverno.



A agricultura da região tem beneficiado de empreendimentos hidroagrícolas, pelo que as culturas de regadio têm uma importância significativa, com destaque para a fruticultura.




De entre os monumentos da Beira Baixa, merecem destaque o Soterrado, em Idanha-a-Velha, grande preciosidade  romano-visigótica, os castelos, alguns dos quais de fundação romana ou árabe, e algumas igrejas e capelas.




 Os vestígios arqueológicos são numerosos em diferentes pontos da região, encontrando-se ruínas de pontes, castros, muralhas, antas e troços de estradas do   período romano e de períodos anteriores.