Recomende este blog

São exactamente as nossas raizes culturais, familiares e sociais que nos distinguem.




domingo, 22 de março de 2015

Lavacolhos


Quem se deslocar do Fundão para chegar á minha terra Bogas de Baixo, vai ter obrigatóriamente o prazer de entrar e sair de Lavacolhos
Esta aldeia  no concelho do Fundão destaca-se pelos seus conhecidos bombos que concorrem sempre para a solenização de todos os momentos importantes da sua vida colectiva.
Calculando-se que existem desde há mais de trezentos anos, os Bombos de Lavacolhos actuavam obrigatoriamente por ocasião da Festa do Senhor da Saúde que ocorre no terceiro domingo do mês de Agosto e ainda na véspera de Santa Luzia, festividade que tem lugar a 15 de Setembro, mas sempre à margem das celebrações litúrgicas.

Usufruem agora de uma sede própria que a Autarquia lhes proporcionou. Num investimento de 250 mil euros, a antiga escola primária da aldeia de Lavacolhos, Fundão, foi transformada na Casa do Bombo, a última da rede de casas que tiram partido do que é a cultura tradicional das Aldeias do Xisto.
Uma vez que por aqui passei e entrei num café na altura propriedade do meu amigo Vergilio que ao regressar de França  e sendo originário da aldeia  aqui se estabeleceu. Jà há varios anos que não passo por aqui pelo que talvez já se tenha aposentado e  o Estabelicimento tenha passado para outros donos que agora o exploram.
Mas como ia dizendo foi aqui que um dia ouvi uma história sobre o Monte da Argemela que se situa ao lado da aldeia
 monte ocupado pelos Romanos, lá vivia uma linda moça lusitana que tinha o seu casamento ajustado com um dos mais destacados lugar-tenentes de Viriato. Na véspera do casamento os Romanos conseguiram raptá-la, procurando forçá-la a revelar notícias respeitantes ao noivo e à guerra que se travava entre eles e os Lusitanos. A heróica moça resistiu a todos os maus-tratos ao ponto de morrer queimada sem que revelasse, fosse o que fosse, contra os seus. Pelos séculos dos séculos, desde então, ficaram a ouvir-se gemidos que pairavam próximo sobre o monte o que leva o povo a dizer: — No ar geme ela! Daí o nome por que ainda hoje o monte é conhecido – Argemela. «contada por Pinho Leal no “Portugal Antigo e Moderno”»
Este Monte é também rico em minério tendo existido aqui algumas minas. Segundo José Inácio Cardoso, 1861, - ali costumavam ir cortar e lavrar os canteiros pedras para os portais dos edifícios, porque não as encontravam n’outro sítio vizinho. Um pedreiro da Barroca do Zêzere, vendeu uma argola de oiro por 60.000 réis.
Cheguei á casa dos amigos Gravito que outrora foram meus clientes e virei á esquerda pela rua da Travessa
calcorreando aquela calçada antiga  tive ainda um dedo de conversa com um velho amigo morador nesta rua  e cheguei ao largo da Igreja, um bonito templo de fundação remota, talvez quinhentista, mas que por necessidade de recomposição ou alargamento veio a sofrer alterações profundas.
É provável que tenham sido encetadas diligências para o seu restauro no 1.º quartel, pois que no ano de 1817 dirigiram os juizes e moradores da terra uma petição à Coroa no sentido de se «fazer cativa a taberna de vinho, aguardente, vinagre e azeite», isto «para poderem fazer alguma obra pública», já que não tinha o concelho do lugar rendimentos com que arcar com as despesas
Resultado de imagem para igreja de lavacolhos+história
 assim sendo despedimo nos com o ex libris de Lavacolhos, o seu Grupo de Bombos

Resultado de imagem para igreja de lavacolhos+história

24 comentários:

Filomena Araujo disse...

e da minha mãe!

Luantes Luis Antunes disse...

olá Men a o que é feito de ti e dos teus pais, pois tens raão Lavacolhos também é a terra da tua mãe. Beijos para ti e para eles dos vossos amigos cá do sul

Vitor Barrocas disse...

Onde foi professora a minha mãe! Fui muitas vezes em pequeno e guardo muitas saudades !! !!

Filomena Araujo disse...

E que foi minha professora no único ano em que frequentei a escola de Lavacolhos.

Vitor Barrocas disse...

Desde pequeno me arrepio e emociono ao ouvir os Bombos de Lavacolhos. Lançados ao ar por potentes braços, enormes, batidos com mestria...o pifaro com aquela melodia repetida, os dizeres...só visto!!!

josé paulo disse...

nunca ouvi falar a onde fica essa aldeia

mMaria do Carmo Lucio disse...

beira baixa

Luantes Luis Antunes disse...

cliquem na imagem e ficarão a saber algo mais

Maria do Céu Reixa disse...

Os bombos de lavacolhos

Helder Correia disse...

Linda terra e vivam os Bombos.

Eduardo Freixo disse...

PASSEI LÁ Á MUITOS ANOS . TALVAZ 30 E MUITOS NUMA ESTRADA ESTREITA E CHEIA DE CURVAS , PORRA PARECIA O FIM DO MUNDO , EM BRINCADEIRA , O MUTORISTA DISSE < QUE TERRA É ESTA ?< E EU DISSE -- LAVACOLHOS < E ELE RESPONDEU , PONHA UM E E UM TIL . . lava colhoes ,, ihhiih

Antonio Cardigos disse...

Já ouvi falar muita vez. Mas não sei onde é! Penso que é algures na Beira!!!

Antonio Roxo Vaz disse...

Fica mais ou menos a 10 km do fundão na estrada para as Minas da Panasqueira, Barroca do Zezere e Jorge Bogas
O jorge ficou a mais, é Bogas de cima e de Baixo

Alexandre Dias Alex disse...

Tantas vezes aí passei..

Nazaré Abilio disse...

Lavacolhos e Silvares(Vila) duas povoações que são atravessadas pelo rio Zêzere que rivalizam pelos grupos de "bombos", pertencem ao concelho do Fundão, e nas alturas das romarias em Agosto na Festa de Stª. Luzia, enchem-se de visitantes que aproveitam para desfrutar todos estes locais lindos.

Angela Alves disse...

Fica na Estrada que liga a cidade do Fundão, em direcção Orvalho, pertence ao concelho do Fundão, distrito de Castelo Branco, muito conhecida pelos seus bombos.

Eduardo Freixo disse...

e casegas aode fica ? logo ao lado ikhihih..vai tu ,,,

Manuel Pires Antunes disse...

O altar em talha da Igreja de Montes da Senhora, foi construído por um marceneiro de Lavacolhos! Foi lá fazer a instalação e, depois, fez o douramento. Pequenas folhas em ouro eram aplicadas, depois de humedecidas, com um utensílio com ponta de chifre.... O pequeno almoço desse senhor constava de uma gemada com dois ovos! Sabia os Lusíadas de cor!!! Não me recordo do nome.... (Finais da década de 40).

Manuel Tomaz disse...

É a primeira vez que vejo o nome desta Terra. Realmente Portugal é fértil em nomes curiosos de Terras. Estou a lembrar-me de uma aldeia perto de Pedrogão Grande, cujo nome é Venda da Gaita.
Os meus cumprimentos,
Manuel Tomaz

Luantes Luis Antunes disse...

E ainda não conhece a Picha???

aldeia da Picha fica na freguesia de Pedrógão Grande, concelho de Pedrógão Grande e tem apenas 24 habitantes distribuídos por 18 fogos. Picha é um lugar bonito, de características rurais onde a maioria da população vive do trabalho no campo.

Luantes Luis Antunes disse...

Vale da Rata
tambem existe e fica np concelho de Viana do Alentejo

Manuel Tomaz disse...

Amigo Luantes,
Fiquei satisfeito por conhecer o lugar da Picha. Já agora mais um detalhe: Na estrada existe uma placa com referencia à aldeia da Picha com a seguinte informação: Picha 800 metros... quer dizer, a distancia para lá chegar...
Cumprimentos,
Manuel Tomaz

Jose Fernandes disse...

A ler com atenção.

Jose Fernandes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.