Recomende este blog

São exactamente as nossas raizes culturais, familiares e sociais que nos distinguem.




domingo, 30 de janeiro de 2011

Morreu o Xico Zé

Francisco José Tavares tinha varios amigos em Bogas de Baixo e eu era um deles
Deixou nos para sempre
Á familia enlutada deixo as minhas sinceras condolencias
Foi uma pessoa com quem privei e muito amiga
Paz á sua alma

Partilho com tods vós esta noticia retirada da net


Morreu o Chico Zé, uma das figuras mais populares do Fundão e do panorama desportivo e sindical. Francisco José Tavares tinha 83 anos e faleceu este sábado no Centro Hospitalar da Cova da Beira onde estava internado desde o último domingo. Francisco José Tavares era natural de Beja mas estava radicado no Fundão há mais de 40 anos. O funeral de Francisco José Tavares está marcado para este domingo às 17 horas na igreja matriz do Fundão.

Militante do PCP e por diversas vezes eleito da CDU na Assembleia Municipal do Fundão e na Assembleia de Freguesia do Fundão, Francisco José Tavares era conhecido pela forma “humilde” como se relacionava, até, com os seus adversários políticos.

O convívio salutar, a generosidade e determinação do “eterno lutador” são recordados por um amigo do Fundão e um companheiro de jornadas na política e no sindicalismo. Os depoimentos de Eduardo Saraiva (que integrou a comissão de homenagem a Francisco José em 2002) e Luís Garra (coordenador da União de Sindicatos de Castelo Branco) para ouvir …

No dia do último adeus ao Chico Zé recuperamos uma das últimas entrevistas dadas à imprensa. Em 2002 quando recebeu do Secretário de Estado do Desporto, Hermínio Loureiro, o Diploma de Mérito Desportivo, Francisco José fez um balanço da sua actividade política e sindical.

Além do reconhecimento do Governo, Francisco José Tavares recebeu em 1992 a Medalha de Prata de Mérito Municipal do Fundão.

Fundador do Clube Académico do Fundão, Chico Zé lançou a prática do hóquei em patins no Clube Desportivo das Minas da Panasqueira e foi sócio de várias colectividades e organizações. No plano sindical, Francisco José Tavares foi durante muitos anos dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local.


Por: Dulce Gabriel

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

A Serra tem destas coisas

Já há mais de ano escrevi algo parecido com o que vou escrever hoje, mas vou desvendar mais algumas das melhores lembranças da minha juventude.
Cresci em Bogas de Baixo mas foi nesta aldeia que começou o meu projecto de vida

Ingarnal, é uma aldeia situada nas encostas da Serra da Gardunha, mesmo quase lá no alto do cabeço Sobreiro
Neste momento não deve ter mais de 20 habitantes, mas tem muita gente oriunda do Ingarnal espalhada por esse mundo.
O meu pai nasceu aqui
Aqui passei muitos momentos da minha infancia
Quase toda a população do Ingarnal são meus familiares e aqueles que não são considero os como tal
Esta aldeia é uma familia, as suas gentes dão se todos como irmãos

Gostaria de ver o Ingarnal a ser visitado pelo turismo, dado que a sua localização é extraordinária
Muitas vezes dei comigo a imaginar como seria optimo poder viver naquela aldeia da serra com uma beleza sem igual
Daqui avista se quase toda a parte sul da Beira Baixa.

Á noite é extraodinaria a visão que temos de todas aquelas luzes que se podem avistar até onde a nossa vista alcança
Agora que o Parque Eolico da Gardunha é uma realidade o Ingarnal passa sem duvida a ser um ponto de passagem para o Parque
Muitos dos terrenos onde se construiu o Parque são propriedade de gentes do Ingarnal.

Já pasei por locais onde existem estancias turisticas com menos recursos que o Ingarnal. especialmente no que diz respeito a turismo de montanha

Algumas das imagens fazem parte da pagina que ja existe na net sobre o ingarnal e que pode ser vista clicando em INGARNAL

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Artesanato (2ª edição)




Divulgar o artesanato português trabalhado ao vivo, a música popular portuguesa e a gastronomia portuguesa em todas as suas áreas são tambem os objectivos do Blog Ecos de Bogas de Baixo, sobretudo quando os artesãos são originarios da nossa região
E sobre uma artesã oriunda da nossa terra quero apresentar hoje mais alguns trabalhos bordados em pano que depois podem ser encaixilhados produzindo belissimos quadros


Ps:-- Interessados em peças como aquelas aqui reproduzidas podem deixar o vosso comentario (ser lhes a dado o endereço da procedencia

sábado, 22 de janeiro de 2011

A ultima novidade


Acabei de ler neste blog um comentario de alguem de Bogas alertando para o facto de o Tonito vir brevemente a encerrar o estabelicimeto de café que explora há alguns anos na nossa terra
Uma moradia bem situada na aldeia e com optimas instalações para a exploração de qualquer negócio
Queria se aqui quem tivesse a ousadia e coragem de criar um tipo de negócio que pudesse dar aos que visitam ou pretendessem visitar Bogas de Baixo, que lhes garantisse a oportunidade de poder pernoitar ou comer a gastronomia da nossa região
Temos algumas aldeias na nossa região que não são mais que a nossa nem os seus habitantes mais espertos e conseguem chamar forasteiros que teem todas as condições para se sentirem bem quando visitam as referidas aldeias
Porque é que nós vamos ter que ser diferentes?
Assim cada vez mais Bogas de Baixo ficará votada ao esquecimento e os próprios filhos da terra sem vontade de lá ir

Se por um lado temos uma Junta d e Freguesia dinamica no que respeita ao embelezamento da aldeia e procurando dar aos seus hanitantes o maximo de comodidades e conforto, o mesmo não acontece para quem quiser deslocar se de fora
Naturalmente para tal, seria necessário coragem, e vontade
E neste e noutros casos a Autarquia tambem tem um longo caminho a percorrer.
Esperemos que outras novidades de desenvolvimento venham a constar dos novos projectos de quem tem pela frente a dificil tarefa de governar estas aldeias perdidas no interior

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

O Azeite puro da oliveira

Lá no meu sitio, a colheita da azeitona, a sua limpeza para ser transportada para o lagar e a confecção do azeite que fica uma delicia é feito tudo como as imagens que se seguem, nos mostram
video elaborado pelo meu amigo João Gomes.
O lagar que vemos em plena laboração é o de Malhada Velha

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

O Lagar

Ainda me lembro do antigo lagar que existia na minha terra e do qual só restam as ruinas

Muitas vezes assistia ao fabrico do azeite todo ele trabalhado manualmente

Via chegar os carros de bois (nessa altura ainda não havia tractores) .carregados de sacos de azeitona que eram logo encaminhadas para as tulhas onde ficavam até irem para as prensas
.

Depois levadas em cestos iam, para a grande pia com grandes rodas de pedra onde eram pacientemente moidas

A energia para estas rodas se moverem vinha essencialmente da agua que corria por uma levada que accionava uma roda de madeira cheia de vasos que com o peso da agua a faziam mover

Já não me lembro bem se quando havia falta de agua não punham um animal Boi ou Burro a accionar o engenho.
Depois de moida a massa da azeitona era levada em gamelas para a area das ceiras onde era enceirada pelos lagareiros

Quando ficavam cheias as ceiras, os lagareiros sobrepunham nas no estrado da prensa . Colocavam por cima delas um ou dois malhais para sobre eles assentar a parte mais pesada da vara.

Dois lagareiros faziam depois girar o fuso da vara com uma alavanca e este servia então para apertar as ceiras de onde saía o precioso liquido ainda misturada com o residuo (agua-ruça)
Quando as ceiras ficavam completamente escorridas era feita a mesma operação com a vara em sentido inverso para que as ceiras pudessem ser caldeadas com a aua perviamente aquecida na caldeira do lagar
O azeite corria das ceiras por um pequeno canal até um recipiente de mistura onde entarva ainda acompanhado do resíduo (agua ruça).
Sendo mais leve que a água, o azeite aparecia em cima, enquanto que a ( agua-ruça) ficava por baixo
Normalmente o mestre lagareiro tinha por tarefa proceder a esta separação da agua do azeite para que houvesse a garantia de que o produto seria de boa qualidade
O recipiente tinha uma torneira no fundo que era aberta para expelir a agua até que o azeite ficasse com a sua pureza natural
Muitas mais tarefas havia no lagar da nossa terra nessa época das quais já não me recordo.
Hoje as gentes da minha terra teem que se deslocar para fora da aldeia para procederem á confecção do seu azeite em lagares mais modernos e com outras condições de trabalho
E tambem porque o Lagar da minha aldeia continua cá mas em ruinas.

Na proxima postagem vou mostrar um lagar duma aldeia nossa vizinha em plena laboração
com a ajuda do meu amigo João da Malhada Velha

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Capela da Ladeira (cont)

esta é a aldeia, Ladeira da Senhora do Carmo, situada na encosta do cabeço sobreiro
Paisagem linda com a oportunidade de respirar ar puro a quem visita esta simpatica e antiga aldeia pertencente á freguesia de Bogas de Baixo


Como dizem os brasileiros.Ajoelhou,tem que rezar.Prometi que contava a história,então aí vai:

Os meus avós moravam ao fundo daquelas escadas que dão para a capela.
A minha tia e madrinha Maria Martins quando era miúda (tinha para aí 8 ou 9 anos) começou a dizer que quando ia à capela a Srª do Carmo estendia os braços para ela e lhe queria pegar ao colo.
Claro que aquilo provocou alarido na população.As pessoas chamavam-lhe maluca, os meus avós ralhavam com ela, mas ela teimava é verdade,não me importo que me chamem maluca.
Um dia quando o padre de Bogas veio lá dar as Boas-Festas, o meu avô pediu-lhe; ó Sr. prior a minha garota anda aí com uma cisma e contou-lhe a situação.
A gente ralha com ela mas ela não tem emenda, se o sr padre lhe passase um raspanete talvez ela se calasse com aquilo.
O padre chamou-a e disse-lhe olha minha menina os santos não gostam de meninas mentirosas, se continuas a dizer isso a Srª do Carmo vai deixar de gostar de ti. Mas sr. padre eu não sou mentirosa, o que eu digo é verdade.
Então o padre disse: o caso é mais sério do que voces pensam.
Vamos lá à capela ver o que se passa.
Quando lá chegaram o padre disse afinal a miúda não está tão maluca como voces dizem.
Então a santa está quase a cair do altar, inclinada para a frente, é isso que provoca na garota a ilusão que a srª do Carmo lhe quer pegar ao colo.
O que se passou afinal?
Então os homens tiraram a santa e o que é que verificaram?
A tal cerejeira tinha desenvolvido uma raiz atraves da parede que é de pedras e barro (acho que tem mais barro do que pedras) e foi alojar-se aos pés da santa, possivelmente atraída pela humidade resultante da água que caía dos vasos das flores ali existentes.
O lugar onde está a santa é um nicho na própria parede da capela.
A raíz foi crescendo e vai de empurrar a santa do altar.
Claro que nessa altura cortaram a raíz, puseram a srª do Carmo na sua posição vertical e assim a srª do Carmo se livrou de cair do altar
Vejam só os problemas que uma cerejeira arranja.
Tenho ainda o comentario da Suzete Pires----(capela que recolheu os meus votos de casamento recordacoes..............)

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

A Capela da Ladeira

Um grande amigo contou me algo já antigo sobre a construção da capela da Ladeira


Segundo o meu amigo,esta capela tem uma história curiosa.
O adro é em forma de U, só tem adro na frente e dos lados,a parte de tras está fechada á passagem de pessoas.
Fazia-nos grande transtorno quando eramos miúdos, porque quando jogavamos às escondidas,não podiamos passar pela parte de tras da capela.
Investiguei e cheguei á fala com o meu tio Manuel Martins que me contou :A pessoa que cedeu o terreno para fazer a capela pos uma condição; dou o terreno mas não me arrancais a cerejeira que existe no local.
Então os homens numa maquiavélica obra de engenharia encostaram a parede de tras da capela à cerejeira e fizeram a capela dali para a frente.
É por isso que o adro está incompleto.
Ps: Esperem pelo resto da história que será publicada na proxima postagem
Aqui deixo mais uma imagem da bela aldeia da Ladeira de Nossa Senhora do Carmo
Esta pequena aldeia merece a vossa visita
Tem optimas acessibilidades e situa se numa das encostas da serra da Gardunha (Cabeço Sobreiro) a 35 Kms de Castelo Branco na direção de Coimbra

sábado, 8 de janeiro de 2011

Uma linda Casa no campo


Impossível passar na estrada e não reparar nesta linda casa completamente restaurada situada no campo num local qualquer deste nosso País.
Como estou inspirado para escrever sobre artesanato, ao ver esta Casa reparei que quase tudo o que a rodeia é artesanal.
O seu proprietário como tive oportunidade de saber é um apaixonado pela musica de acordeão, tendo me assegurado que até sabe tocar umas coisas.
Na fachada principal da casa feaz questão de aplicar algumas concertinas, mostrando assim o seu gosto pelo instrumento musical


É tambem uma pessoa que gosta da aventura de voar e para isso tambem quis que essa vertente da sua ambição ficasse tambem retratada exteriomente na sua moradia



Depois todo o jardim em redor é uma mistura de artefactos e flores .
De certeza que me vou esquecer de algumas coisas que me deram muito prazer apreciar,



Mas para quem eralmente gosta destas coisas, as fotos falam por si.
e já a minha avó dizia: uma boa imagem vale por mil palavras
Tenho a certeza que o seu interior, que não tive oportunidade de ver, deve ser um espectaculo

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Artesanato para passar o tempo

O artesanato de um modo geral é uma coisa que me seduz por ser tambem um meio de expressão cultural de carácter popular.
Não é somente, numa definição mais moderna, uma actividade económica que gera emprego ou criação artística.
O artesanato envolve, num contexto mais vasto e complexo, padrões de cultura, maneiras de fazer, pensar e sentir os objectos, as matérias-primas, enfim, o sentido estético de cada artesão em particular. Existe ainda o factor inovação que tem vindo a crescer no âmbito do artesanato, aliado a uma crescente e diversificada criatividade, num sem número de materiais e objectos que se destacam do tradicional.
Quase todos os blogues que nos mostram as diversas facetas do artesanato teem a minha admiração e navego varias cezes por esses sitios

Hoje e a prpósito, vou divulgar algumas fotos de peças de artesanato que me foram enviadas por alguem natural da nossa aldeia Bogas de Baixo e que ela chama de sua gatada





domingo, 2 de janeiro de 2011

Bogas de Baixo activa



O edificio do Centro de Dia

Planta das obras de benificio em curso
Bogas de Baixo não está parada no tempo
As Instituições renovam se sempre com vista a proseguir e concluir obras que estão em curso e muito valorizam a terra e a sua população.
Realizou se uma assembleia geral do Centro de Dia de Bogas de Baixo com ordem d e trabalhos ponto unico a eleição dos novos corpos Gerentes para os proximos anos.
Não tenho elementos nescessarios para concluir com eficacia os nomes que figuraram nas listas ou lista, mas posso adiantar que para:
Presidente da Direção foi eleito David Roque
Presidente da Assembleia Geral Ricardo da CMF
Presidente do Concelho Fiscal José Patrocinio

Votaram 64 socios, com apenas 2 votos nulos e os restantes 62 na lista A(lista única),
Esta nova Direção conta com a ajuda de todos, pois estão na firme disposição de concluir a obra já iniciada

Vejo com bons olhos a continuação da familia António Roque que muito tem feito para a modernização da nossa terra, continuando a trabalhar afincadamente para benificio das nossas gentes.

Nesta direção temos o David
mas espero que a proxima Junta de Freguesia venha a ser encabeçada pelo seu irmão Luis Roque.
Gente muito capaz, e que teem no sangue a força da iniciativa que muito aprenderam com o pai

Ecos de Bogas de Baixo cá estará para dar uma ajudinha sempre que for solicitada
Os meus visitantes e leitores podem continuar a ver esta pagina sempre actualizada


Sala de Jantar do Centro de Dia

PS-actualizarei a postagem logo que me seja possivel