segunda-feira, 2 de junho de 2008

NOSTALGIA



Quando as saudades se fazem sentir, a gente tenta de alguma maneira mata las revivendo os tempos que nos fazem sentir saudades.
Assim sendo deu me para escrever algo mais sobre a terra que me viu nascer e suas gentes

Embora eu more bem longe mais ou menos 500 Kms, não deixo de me interessar diariamente pelo que a minha terra passa na evolução do tempo
Estamos a entrar nos meses mais quentes do ano vem aí o Verão, e com ele as férias e tenho a certeza que muitos dos meus conterraneos voltam á sua terra natal nesta altura depois de mais um ano arduo de luta pelo seu bem estar e pelo melhoramento do seu nivel de vida,
em terras longuinquas.

Alem daqueles que na estranja labutam; França, Alemanha, Suiça, etc etc
estão tambem aqueles que não sairam do seu País mas que tambem não teem hipótese de ir frequentemente á terra natal
Estou incluido neste lote
Vamos ver se na na festa anual este ano nos voltamos a encontrar á portela junto á capela de Nossa Sra das Dores
Rever amigos de infancia, estar com a familia que ainda resta. Um bem precioso que nós temos é a familia


veio me á memória neste momento um comentario que recebi de alguem que lê este blogue e é natural de Bogas

OLA
Ca estou eu tambem a falar desta terra lindissima chamada BOGAS DE BAIXO.
Somos muitos os nativos desta terra espalhados pela Europa fora mas quando chega o verão o nosso pensamento é voltar á terra
É sempre um grande prazer voltar a BOGAS DE BAIXO
lembranças de garoto que nos enchem a cabeça com tantas coisas por onde andamos naqueles velhos tempos
A maior lembrança é sem duvida os dias da festa de agosto com a grande alvorada logo de manha cedo para todos saberem que estamos no dia da festa


E que dizer desses dias que passei a pesca sem cana sem fio e sem rede
simplesmente com as mãos por baixo das pedras e nos buracos da ribeira

Tempos passados no monte a ouvir e ver e ouvir especimes de passarinhos cantar
apanhar pinhas e mato seco para as nescessidades da casa da e ao mesmo tempo olhar pelos haveres que ali andavam a pastar

Sim podem crer são grandes as saudades que tenho desse tempo que ja la vai bem longe e nunca mais voltará
quando penso que naquele tempo a unica coisa que queria era sair d e Bogas, ir embora para outras terras mais importantes,reconheço agora que feliz foi o que nunca precisou de sair de sua terra para ter uma vida melhor.
Sinto falta daqueles odores da minha terra de manha era um cheirinho de panelas ao lume a confecionar o almoçao e á tarde vinha então aquele cheiro dos pinhais, das estevas e carqueija e tambem giestas floridas a beiras dos caminhos
nao nunca te esquecerei BOGAS DE BAIXO
(Pedro)