Recomende este blog

São exactamente as nossas raizes culturais, familiares e sociais que nos distinguem.




quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Minas da Panasqueira


Fui descendo mais uma vez até ás margens do Zêzere, esta é a ponte que liga o concelho da Covilhã
ao concelho do Fundão no sitio chamado  Lavagem do Rio. Era para aqui que eram transportadas as areias
 das minhas através de caldeiros suspensos em cabos de aço e aqui eram lavadas para extrair o mineral.



Aldeia de S Francisco de Assis


Nos anos de 1864 a 1890 estava anexada à freguesia de Barroca, do concelho do Fundão.
 Foi anexada à freguesia de Ourondo, do concelho da Covilhã, por decreto de 07/09/1895,
 aparecendo nestas condições no censo de 1900. Foi desanexada por decreto de 19/07/1901,
 passando a constituir freguesia independente com a designação de Bodelhão.
 Pelo decreto nº 15.868, de 15/8/1928, passou a denominar-se de Aldeia de S. Francisco de Assi
Alinhadas em socalcos abundam tratadas, pequenas hortas que expressam tempos remotos e um esforçado
 aproveitamento para uma agricultura de subsistência, que com o pastoreio, a caça e a pesca, eram
as actividades das quais dependeram noutros tempos as suas gentes.
Com efeito, são famosas hoje, em todo o País, as minas da Panasqueira, consideradas umas das mais
 importantes da Europa e mesmo do mundo, pela grande quantidade de volfrâmio que detém. A Panasqueira
 representa cerca de 96% da produção nacional e é exportado para países como a Inglaterra,
 os Estados Unidos e o Japão. Outros minerais, como blenda, apatite, topázio, fluorite, mica,
 marcasite, triplite e outros, são também muito importantes nestas minas, que chegam a produzir
dez toneladas por ano. Uma homenagem ao mineiro, nestas terras que a esse nobre profissional tanto deve,
nunca será demais.







A história da mina da Panasqueira remonta aos finais do século XIX.
A partir de 1910 as Minas da Panasqueira foram exploradas pela empresa Wolfram Mining & Smelting Co. Ltd. Esta exploração durou até 1928, data em que foi criada Beralt Tin & Wolfram Limited que explorou as minas até 1973 em que com a incorporação de capitais nacionais passou a designar-se por Beralt Tin & Wolfram Portugal, S.A.
Pode-se considerar que o apogeu das minas foi durante a segunda guerra mundial, em que a procura do Volfrâmio era grande devido à sua utilidade como endurecedor de ligas metálicas para a construção de armas. Dai para cá a sua importância tem vindo a diminuir, porém, mais recentemente com a crise do urânio empobrecido, que estava a substituir o volfrâmio as minas ganharam novo alento.
Mas a utilidade do volfrâmio não se resume à indústria de armamento. Uma das suas utilizações mais nobres é na indústria eléctrica. Os filamentos das lâmpadas que nos iluminam são de volfrâmio.

Com a diminuição do trabalho mineiro, quase todas as aldeias nesta região ficaram bastante afetadas pelo desemprego, já aqui trabalhavam muitos trabalhadores que com o rendimento do seu trabalho ainda que duramente continuavam a manter uma vida estável em casa ao ponto de até terem dado aos seus filhos já nessa altura a possibilidade de se formarem em escolas superiores

Sem comentários: