Recomende este blog

São exactamente as nossas raizes culturais, familiares e sociais que nos distinguem.




segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Saio de Oleiros, vou para Orvalho

Saida de Oleiros  com destino ao Orvalho
Tenho duas hipóteses de o fazer , uma seria voltar á esquerda subindo a serra  passando por Ribeiro das Hortas até Cruz do Casal Novo, descendo depois até Alvaro , atravessando a ponte que liga os dois concelhos  Oleiros e Pampilhosa da Serra bem como os dois distritos Castelo Branco e Coimbra, depois seguia até á Pampilhosa, mas optei pelo 2º e então passei aqui na ribeira de Milrico ao lado desta construção onde existia um comércio que foi meu cliente mas isso já foi há mais de 25 anos

Um pouco mais á frente continuo a reviver tempos já passados vendo e observando algumas transformações em empresas que eram clientes, esta industria de serração e comércio misto em Milrico foi minha cliente antes de ser debastada por um incêndio, está agora mais modernizada depois da sua reconstrução
Cruzamento do Roqueiro mais uma enorme industria de madeiras que no tempo que foram meus clientes se chamava  a CORMIL, não sei se mantem o mesmo nome ou mudou para outro
a imagem  que se segue é uma panorâmica da povoação da Ameixoeira Junto da estrada que liga Oleiros a Castelo Branco
Poucos Kms percorridos e eis me a entrar na bela localidade de ESTREITO, onde possuia tambem uma bela carteira de clientes

O Estreito situa se num planalto, quase á altura da serra do Moradal e é uma terra com muita industria e comércio, madeiras , resinas, produtos alimentares etc etc.
Mais ou menos bem servida de transportes publicos com a principal empresa Rodoviária da Beira Interior em serviço podemos inclusivamente ver um dos seus autocarros a entrar na localidade
Está rodeada de varias povoações mais pequenas Como S. Torcato, Vale Redondo, Corgas, Espinheiro etc etc

 
O caminho que dá acesso á serra, passa por entre penhascos e locais muito apertados, e era por aqui que no meu tempo de vendedor eu viajava para visitar clientes do lado de lá da serra, Saía pelo Vale, passava por Vidigal, Pião, indo sair á estrada que liga a  Sarzedas á Sarnada de São Simão, entre Magueija e  Azenha de Cima e posteriormente á N 238

e foi aqui precisamente no seu entrocamento com a 238 que voltei á esquerda em direção a Vilar Barroco, depois por Vilarinho, Quinta do Aziral e  eis me a chegar ao Orvalho,


Passei aqui num lugar de grande beleza que muita gente desconhece mas merece certamente uma visita, Junto das excelentes fontes existentes à beira da estrada, um miradouro natural permite-nos admirar a muralha quartzítica que se ergue de um bosque denso por onde o Ribeiro de água d’Alta desaparece. Pelo som forte de água a cair adivinham-se as cascatas de Fraga de Água d’Alta a cair
Esta lindíssima paisagem está inserida na área do Geopark Naturtejo da Meseta Medidional. O território representado pela empresa intermunicipal Naturtejo – que engloba os concelhos de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Oleiros, Proença-a-Nova, Vila Velha de Ródão e Nisa – pode estar prestes a tornar-se o primeiro geoparque português, integrando a Rede Europeia destes espaços, um organismo tutelado pela UNESCO

Entrei no Orvalho, passei pela torre do relógio situada no largo da eira, pela rua da Igreja e vim dar aqui ao crzamento com a estrada Nacional 112 que liga Castelo Branco e Coimbra
neste pequeno aglomerado de casas, numa delas viveu a minha tia que infeliamente nos deixou  e numa outra á esquerda moram os primos.
A seguir temos uma imagem do restaurante Pérola do Orvalho onde comi muitas vezes e abastecia o carro com combustivel, um estabelecimento com quase tudo o que a gente nescessita durante uma viajem, inclusivamente pneus
mas como já devem ter notado tenho andado por terras de grande produção de madeiras e o Orvalho não fica atrás porque tambem aqui existe uma grande empresa de transformação de madeiras a Pinorval, que sempre vai oferecendo trabalho a muita gente cá da região
Vou até lá acima ao Penedo Mosqueiro, visitar o seu excelente Parque de Merendas, deslumbrar me com a paisagem que podemos desfrutar ao redor do mesmo e avistar a minha terrinha natal Bogas de  Baixo, uma história que virá a seguir, 
Fiquem bem e não se esqueçam de comentar

Como devem calcular, a satisfação de um blogueiro é ver as suas mensagens comentadas



7 comentários:

Anónimo disse...

adorei reaviver essas passajems que ja a muito que nao passo obrigado sehnor luise comtini

Anónimo disse...

Antunes Abilio

imagens bonitas, não se esqueça de passar um dia por Cambas, tambem é uma região bonita, obrigado Sr Luis

Anónimo disse...

Aníbal Gama Santos

Muito bom

Luantes Luis Antunes disse...




Amigo Abílio fica registado aliás já tinha pensado nisso numa passagem para a Pampilhosa

António Luís Oliveira disse...

Não há dúvida que já nas suas diversas atividades profissionais se preocupava em registar todos os momentos que julgava importantes para memória futura.E ainda não havia facebook....Parabéns

Anónimo disse...

muito bom Luis ja so falta chegar a Bogas

Manuel Tomaz disse...

Não sou natural destas lindas Terras. Nasci lá para os lados de Castanheira de Pera, não muito longe daí. Mas é um gosto visitar o seu blogue e por isso o faço frequentemente.
Os meus cumprimentos,
Manuel Tomaz