Recomende este blog

São exactamente as nossas raizes culturais, familiares e sociais que nos distinguem.




terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Subindo até ás Pedras Lavradas


Este percurso que estou agora a iniciar, faz me reviver a saudade de  grandes  patuscadas com amigos e clientes no meu tempo de Caixeiro Viajante, quando trazia para estes povos as carradas de mercearias azeites e vinhos.
Saio do Ourondo e subo Serra acima pela Estrada Municipal 511 olhando para um lado e para o outro é a visão de grandes extenções de serra queimada mas ao mesmo tempo lindas paisagens verdes .

Pouco tempo depois estava a entrar em Casegas, parei para beber um copo e  aproveitei para uma conversa de café  com algumas pessoas da minha faxa etária, sobre o tempo que Casegas era mais pobre e tinha mais gente
Eram muitos os estabelecimentos comerciais tabernas, mercearias, casas de farrapos sim porque naquela altura não havia as confeções que hoje adquirimos por esses centros comerciais a dentro.

Naquele tempo
cada terra tinha pelo menos um Alfaiate e costureira, um sapateiro, um ferreiro amolador de facas e concertos de guarda chuvas. e havia ainda o ferrador que metia pneus novos no transporte daquele tempo., burros , machos e alguns cavalos. Hoje dizem me aqui as pessoas que quando nescessitam algo mais importante vão ao Fundão á Covilhã e até a Castelo Branco para se haviarem para o mês inteiro.

Isto no Verão é uma festa os emigrantes e  outros filhos da terra espalhados por todo o País veem dar uma voltinha á terra, passar uns dias de repouso, pelo menos respirar outros ares.
http://casegas-a-minha-terra.blogspot.pt/ e http://casegas.blogspot.pt/ teem sido uma ótima fonte de pesquisa para estar sempre a par do que se passa na região
Sabemos que o Padroeiro cá da terra é  São Pedro, foi Freguesia que terá sido extinta nas ultimas eleições pertencendo agora á União de Freguesias Casegas e Ourondo, da qual é a sede.



Come se por aqui muito bem, pratos regionais como Couves com feijão, borelhões, (noutros lugares dão lugar ao célebre maranho), peixinhos da ribeira, cabrito, papas de carolo e bolos de bicarbonato.ou seja  bolos de soda como se chamam no Fundão.

Casegas é uma aldeia bem apetrechada das principais nescessidades da população, existem aqui varias associações como Centro Social e Cultural de Casegas, Banda Filarmónica Caseguense, Grupo de Teatro da Casa do Povo de Casegas "Os Polichinelos", Grupo de Cantares Sol Nascente e Associação de Caçadores, Pescadores e Agricultores de Casegas

Está rodeada por duas ribeiras, a ribeira de Unhais e muito especialmente a ribeira de Casegas que nasce alguns quilómetros mais acima  em Sobral de Casegas  e tem piscinas naturais ao longo da ribeira.


Muito mais há para dizer sobre Casegas mas aconselho vos a consultar os meus colegas blogueiros cujos links podem copiar mais acima na página.

Entretanto tenho que referir antes de seguir para o Sobral, que Casegas possui um vasto património cultural Capela das Almas, Capela do anjo da Guarda, 1ª Casa de Casegas "Abrasonada", Igreja Paroquial, Ponte de Origem Romana, Forno Comunitário, Lagar de Azeite, Moinhos Tradicionais
E cá vou eu  a caminho do Sobral cujo nome segundo reza a lenda deriva do Cabeço Sobral ,um souto de castanheiros que existiu no alto da serra



 O Sobral de S. Miguel chamava se noutros tempos Sobral de Casegas de cuja freguesia fazia mas separou se de Casegas e hoje mantem ainda a Freguesia de Sobral de S Miguel



Muitas vezes talvez centenas eu por aqui passei aqui angariei boas amizades e sobretudo bons momentos passados, os Sobralenses de mais idade ainda lembram canções, histórias, lendas contadas pelos  pais e avós nas longas noites de inverno, aos serões enquanto descascavam castanhas cozidas ou assadas.
isto foi terra de castanheiros.


A minha viajem não acaba aqui, continuei a  subir a serra até ás Pedras Lavradas. Um local muito conhecido nas Beiras Baixa e Alta por ser aqui uma espécie de fronteira entre as duas, deste alto a panoramica é soberba,




para um lado as serras e povoações da Beira Alta e para o outro a extensa Cova da Beira Aqui parei muitaas vezes ao longo dos anos e em tempo de frio neve e gelo era neste estabelicimento que continua solitário, que a gente se aquecia com uma boa dose de bebida branca  ou tratava da barriguinha a dar horas- Cá em baixo na cova uma linda aldeia chamada os Trigais



 ponto de referencia para quem viajava e viaja  entre a Beira Baixa e Coimbra pela estrada da serra
Fico me hoje por aqui a respirar estes ares puros da serra e voltamos á estrada muito brevemente

1 comentário:

Anónimo disse...

Descrição muito bonita. Conheço todo o trajeto.

Antonio Luis Oliveira