Recomende este blog

São exactamente as nossas raizes culturais, familiares e sociais que nos distinguem.




segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Barroca (aldeia de Xisto)

Barroca do Zezere, uma aldeia do concelho do Fundão «, localizada na margem esquerda do rio Zezere, para alem de ser conhecida como uma aldeia com alguma industria e comercio, tendo inclusivamente tido aqui a sede de uma grande Empresa de Camionagem, antiga Transportes do Zezere



 que era propriedade de um filho da terra e transportou pessoas e mercadorias por tudo o que era sitio em Portugal, é hoje muito mais conhecida por ser uma das principais aldeias  de Xisto

A Casa Grande, antigo solar do Séc. XVIII onde hoje funciona o Centro Dinamizador das Aldeias do Xisto, acolhe-nos e lança-nos à descoberta.

 Na Barroca continua a respirar-se um ambiente rural, pautado pelos seus ciclos agrícolas. A paisagem circundante é enquadrada pelo pinhal e pelas pirâmides dos aterros  da Lavaria do Cabeço do Pião, que já pertenceram às Minas da Panasqueira. Hoje preparam-se para albergar um Parque Temático Mineiro. A Barroca é também a Sede da Rede de Lojas das Aldeias do Xisto.


No caminho que nos transporta até ás margens do rio, descobrem-se antigos moinhos que funcionavam através da força da sua corrente .


 O espelho de água e a paisagem impõem um momento de pausa,

 antes de se atravessar a ponte pedonal para a outra margem e descobrir as gravuras rupestres que os nossos antepassados ali deixaram gravadas na rocha há milhares de anos. A Casa Grande também alberga um Centro de Interpretação deste património e desafia-nos a percorrer a Rota da Arte Rupestre do Pinhal Interior.


A Barroca do Zezere é tambem hoje como já era antigamente um ponto de passagem das gentes que se deslocam do concelho do Fundão para os concelhos limitrofes de Pampilhosa da Serra e Oleiros



Onde antigamente só se podia atravessar o rio de Barco ou a nado existem hoje obras de acessibilade mais modernas e cómodas



E assim através de belas imagens quero continuar a divulgar as nossas aldeias

1 comentário:

Joaquim Belchior disse...

Gostei muito , nasci na Barroca, e na fotografia do autocarro esta o meu pai que era o propriétaire da empressa!