Recomende este blog

São exactamente as nossas raizes culturais, familiares e sociais que nos distinguem.




sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Nas encostas da Gardunha

Partindo das margens do Zezere, e subindo as encostas da Gardunha. deparamos com lugares de uma paisagem deslumbrante misturada de casario, terras de cultivo e muito arvoredo com tons de rara beleza, onde impera o pinheiro, castanheiro, o ervedeiro, e muitas outras arvores sejam elas selvagens ou de fruto o
Um lugar encantador   a pequena aldeia da Ladeira 

Pelos montes da zona poente da Serra,o cenário é encantador Fala se e escreve se muito sobre a Gardunha mas quase sempre das suas saidas a norte pelo Fundão ou a Sul por Alpedrinha, esquecendo a sua saida por Silvares onde a gardunha tem um encanto maior por ser uma zona de pinhal e bem povoada 

Aspeto geral de Bogas de Baixo 




Aldeia do Descoberto freguesia de Bogas de Cima  concelho do Fundão

Janeiro de Cima

Aldeia de Bogas do Meio


A placa é elucidativa da povoação que estamos a ver


Temos o caso das aldeias de Açor, Boxinos Malhada Velha, Bogas de Cima, Bogas do Meio e Bogas de Baixo, Barroca S. Martinho e ainda, Janeiro de Cima, Maxial, Ladeira e Descoberto indo mesmo até á Panegral agora abandonada




 Em todas estas aldeias há um património rico que muita gente desconhece Venham passar um fim de semana de carro Jipe ou mesmo de bicicleta e sintam o quanto é bela esta encosta da serra Partilho com todos vós algumas imagens que nos mostram como esta região é bela e calma onde podemos respirar ainda algum ar puro e estarmos em permanente contacto com a natureza





As imagens que compoem esta postagem são bem elucidativas daquilo que acabo de escrever

Aqui é realmente o coração de Portugal

1 comentário:

Belmonte. J.A. disse...

A noite aqui, onde me encontro já vai longa,mas não vou desistir,quero ver mais, estou seco, quero beber, beber sofregamente os maravilhosos roteiros que o Luís descreve das suas(nossas) raízes.
Fotos e prosas de superior beleza, só possíveis pela paixão e amor ao passado vivido no seu "berço".
Obrigado Luís, lavou-me a Saudade.