sábado, 30 de julho de 2011

Pelas serras da Pampilhosa


Pampilhosa da Serra um concelho limitrofe com o rio Zezere a separar nos entre o Urjeiro e Janeiro de Baixo
Conheço muito bem todo o concelho desde muito novo e mais tarde devido á minha actividade de vendedor, arranjei muitos amigos e conhecimentos.
Encontrei um site sobre uma terra que me traz belas recordações, porque no tempo dos rebanhos e das casas mais abastadas havia sempre um criado que guardava o rebanho para além de outras tarefas.


Um primo meu foi um dos que começou a sua vida de trabalho ainda muito novo numa dessas casas ,na Póvoa da Raposeira que da nossa terra nos habituamos a querer observa la ao longe atraz daquelas rochas
ali ao lado das Portas do Souto.


Mais tarde tive em Povoa da Raposeira bem como nas Portas do Souto, Adorão, Portela de Unhais
e muitas outras aldeias desta região montanhosa mas de belissimas imagens, algumas lojas de comércio
tradicional meus clientes muitos dos seus proprietários ainda hoje recordo com amizade.


Alguns já não se encontram entre nós (caso do Virgilio Martins de Dornelas e outros) mas eu nunca os esqueço
Construimos amizades.
Hoje debruço me apenas nesta aldeia simpátiac de Póvoa da Raposeira
Na ribeira da Póvoa existia ha muitos anos um moinho que funcionava durante largas semanas mas que agora
deve estar desativado e talvez em ruinas.
Póvoa da Raposeira faz parte da freguesia de Unhais o Velho que possui um historial rico e lindissimo
Antigamente aqui como na minha aldeia o medronho era abundante nestas encostas pelo que existiam
alguns alambiques que tanto detilavam o medronho para extrair a famosa medronheira como tambem destilavam


o engaço das uvas para a extração de saborosa bagaceira (que ainda hoje se fabrica artesanalmente em muitas
das nossas aldeias.
E já que o moinho está desactivado, tambem o forno comunitario deixou de coser as saborosas broas de milho


que tambem se cosiam nos fornos da minha aldeia
Este património tem sido espoliado muito principalmente pela desertificação das nossas terras bem como pelos
incendios que teem ano após ano devastado toda a zona de pinhal e mesmo terras de cultivo que eram abundantes
nesta região
Ainda existe a eira da Póvoa que hoje serve de parque de estacionamento, já que milho Centeio ou cevada ja eram
e já não são mais
Será que o Lagar ainda funciona? o Lagar da Póvoa era e será concerteza um ponto de referencia para os trabalhos
artesanais do concelho da Pampilhosa
Deixo aqui tambem algumas fotos que o Nuno da sua torre de vigia nas serras da Pampilhosa captou com a sua objectiva


Para termos um maior conhecimento do vasto historial destas aldeias da Pampilhosa, visitem http://www.cm-pampilhosadaserra.pt/pt

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Centro de Portugal com vida

Hoje o Ecos de Bogas de Baixo vai divulgar um pouco desta linda região onde ela mesmo se situa nas margens da Ribeira de Bogas a escassos metros da Foz de Bogas no Rio Zezere


A zona centro de Portugal tem um rico património cultural, gastronómico e natural.
Para actividades de férias há as praias fluviais do interior, piscinas publicas, campos de ténis nas aldeias,como aliás acontece no Polidesportivo de Bogas de Baixo, percursos pedestres e de bicicleta sinalizados por todo o lado,bem como passeios de barco, e até mesmo passeios de 4x4.



Em Castelo Branco, na Sertã, no Fundão, em Oleiros, em Tomar, Abrantes Pampilhosa da Serra, Holiveira do Hospital, Arganil; Lousã etc etc, podemos sempre encontrar Postos de Turismo locais que nos oferecem informações sobre onde praticar desportos náuticos, sobre as rotas turísticas, visitas, restaurantes e parques naturais.


Um dos pontos mais interessantes das Serras desta lindissima região, diz respeito à rede de Aldeias do Xisto (como aliás mostrei na postagem anterior.


São 24 aldeias tradicionais, que estão espalhadas nas laterais da montanha e vales, e todos elas são notáveis.
São únicas dado que oferecem aos seus visitantes produtos tradicionais e outros serviços, que são as maravilhas naturais da sua herança cultural. Um rio é sempre sinónimo de desportos aquaticos, a floresta transforma se em trilhos para caminhadas, uma velha tradição pode sempre tornar se num evento cultural


Há praias fluviais de água pura, monumentos, castelos e museus para visitar com certeza.
Toda a área é um convite para conhecer os locais e partilhar as suas tradições, artesanato e história. Pode seguir os percursos marcados, ou estuda los nós mesmos de acordo com a nossa inspiração.



A maior parte da paisagem é montanhosa, com formações rochosas, principalmente Xisto, muito especialmente nas Serras da Lousã e do Açor
Esta zona no coração de Portugal é atravessada por vários rios, como Alva, Ceira e o Zêzere.
A área não é densamente povoada, flora é dominada por eucaliptos, carvalhos, pinheiros e castanheiros.
O Rio Zêzere é um dos rios que correm das nacentes da Serra da Estrela. Nasce a uma altitude de cerca de 1900 m, e seu fluxo segue pelo vale glaciar da idade do gelo.


É um afluente do rio Tejo, e suas águas fundem-se na confluência em Constância, após um percurso de 200 km.
Rio Zêzere e Rio Mondego (que desagua no Atlantico na Figueira da Foz) são os dois únicos rios no país que são inteiramente portuguêses.


Janeiro de Baixo aqui paredes meias com a minha aldeia Bogas de Baixo basta atravessar o rio, é uma das 24 aldeias de xisto com mais historial. Sua Igreja Paroquial vale a pena visitar pela sua retábulos de madeira bonita. Existem ainda as capelas, do Santo Cristo e a de S. Sebastião
É tradição na freguesia realizar-se um Bodo junto à Capela de S. Sebastião, a 20 de Janeiro de cada ano.As azenhas á beira do rio onde se moiam os cereais criados na zona.


Os Desportos aquáticos estão disponíveis, bem como uma série de atividades ao ar livre como escalada ou rappel. Uma optima praia fluvial espera nos para um retemperar forças. ou podemos ainda visitar a barragem de Santa Luzia, que foi construída de 1930-1942 para produzir energia elétrica, e que tem um lago artificial de grande envergadura e bonito de se ver

sábado, 23 de julho de 2011

Semana Cultural das TerraS do Xisto no Fundão


A Pinus Verde Associação de Desenvolvimento tem mantido vivo o desenvolvimento das nossas terras de xisto no concelho do Fundão
Apesar de com muita pena não ver nestes eventos a representação da minha aldeia Bogas de Baixo, uma aldeia que para quem a conhece deve pensar como eu. Para quando um programa alargado e incluir a nossa aldeia ou mesmo uma das suas anexas como a Ladeira, o Maxial ou o Urjeiro?
Bogas de Baixo tem todas as condições para figurar na rota das Aldeias de Xisto, para ter nesta vertente a divulgação que ela merece.
Para quando a criação de uma Comissão de Melhoramentos de Bogas de Baixo?`´E uma ideia com pernas para andar para se preocuparem coma projeção de uma linda aldeia a ficar parada no tempo

uma aldeia onde tambem o xisto é predominante, apraza me saber que a Pinus Verde continua activa na divulgação das nossas aldeias e seus usos e costumes


Assim a semana que hoje começa e se prolonga até 31 de Julho é fértil em comemorações sobre o tema Memórias do Rio
De 23 a 31 de Julho, no Fundão, a Semana Cultural das Terras do Xisto 2011 vai refrescar este Verão. Este ano sob o tema 'Memórias do Rio'. Diversas actividades, workshops, cinema e música.

Durante a semana pode ser visitada uma exposição de fotografias antigas na Casa Museu do Rancho Folclórico de Silvares.
Dia 31 de Julho, Domingo, haverá disponível um autocarro que fará o percurso entre a cidade do Fundão e a Aldeia do Xisto de Janeiro de Cima, de manhã, e entre Janeiro de Cima e o Fundão, da parte da tarde.

Programa:

23 Julho
Aldeia do Xisto da Barroca:
9h - Percurso pedestre 'Caminho do Xisto da Barroca', com visita às gravuras rupestres do Poço do Caldeirão
Lavacolhos:
21h30 - Arruada dos Bombos de Lavacolhos
22h30 - Concerto musical com os Velha Gaiteira


24 de Julho
Castelejo
15h - Workshop de dança "Brincadeiras do Folclore"


25 de Julho
Silvares:
14h - Workshop de construção de bombos
Castelejo:
15h - Workshop de dança "Brincadeiras do Folclore"


26 de Julho
Silvares:
14h - Workshop de construção de bombos
Castelejo:
15h - Workshop de dança "Brincadeiras do Folclore"


27 de Julho
Silvares:
14h - Workshop de construção de pífaros
Castelejo:
15h - Workshop de dança "Brincadeiras do Folclore"
Aldeia do Xisto da Barroca:
21h30 - Cinema: "Herói do Rio" (comédia), de Buster Keaton

28 de Julho
Silvares:
14h - Workshop de construção de pífaros
Castelejo:
15h - Workshop de dança "Brincadeiras do Folclore"
Bogas de Cima:
21h30 - Levantamento fotográfico nocturno, sob o tema "O Rio e a Natureza", realizado em percurso de caça


29 de Julho
Castelejo:
15h - Workshop de dança "Brincadeiras do Folclore"
Silvares:
21h30 - Cinema: "O Navegador" (comédia), de Buster Keaton

30 de Julho
Janeiro de Cima:
16h - Workshop Gastronómico no restaurante 'O FIADO'
Castelejo:
17h - Apresentação do Workshop "Brincadeiras do Folclore"
Silvares:
22h - Festival Internacional de Folclore


31 de Julho
Aldeia do Xisto de Janeiro de Cima
9h - Inauguração do Caminho do Xisto de Janeiro de Cima
9h15 - Início do Percurso pedestre
16h - Provas de Perícia no tradicional Encontro de Barqueiros



Nota: As inscrições são gratuitas em todas as actividades.

glitters

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Os Emigrantes vão chegando

As nossas aldeias especialmente as mais antigas, vão naturalmente acumulando algumas tradições.
Muitas delas já estão esquecidas, outras resistem ainda,
mas por este andar, caminham a passos largos para a sua extinção, muito especialmente devido á pequena quantidade de moradores que as aldeias muito especialmente as do interior teem nos dias de hoje.
Refiro me muito especialmente á minha terra natal Bogas de Baixo

Emigrantes.

Neste mês e no proximo., os nossos emigrantes, continuam mesmo assim a trazer a saudade na sua bagagem.
Saudade da sua terra, saudade das suas gentes, saudade das suas festas.
Percorrem milhares de km para voltarem à terra que os viu nascer, fazem a sua romagem ao cemitério, para homenagear os seus entes queridos que entretanto partiram
Alguns podem ainda abraçar ao seus velhos pais e passear pelas ruas onde passearam na sua infância.
Sentir o aroma dos pinheiros , ver correr a água na ribeira, ouvir o som do gado
.

Ver a casa dos seus sonhos que conseguiram construir, contrastando com as construções antigas de pedra sobre pedra,
com uma lareira a um canto onde se colocava a lenha partida.
A carne no fumeiro, os chouriços, os presuntos pendurados na trave da velha casa.
Já não há cheiros como os da nossa infância.
. Hoje, os nossos conterraneos chegam de toda a Europa onde já deixaram descendência.
Os filhos que só vêm à terra dos seus pais porque eles os trazem até que um dia ficam por lá pois esta terra já não é a sua.

Quase todos os anos os nossos conterraneos regressam, e a nossa terra, a nossa aldeia está pronta para os receber.
No proximo mês de Agosto as festas em honra de Nossa Senhora das Dores e Jesus Adolescente vão ser uma realidade, para alegria do povo que vai poder receber de braços abertos os filhos pródigos, e assim, no cabeço do Outeiro, naquele terreiro em frente a Jesus Adolescente, a música dos artistas que vão estar em palco vai certamente puxar para dar um pé de dança e bailar a música que o povo gosta.
glitters

domingo, 17 de julho de 2011

Ladoeiro - Festival da Melancia 2011

Realizou se este fim de semana á semelhança do que vem sendo realizado nos ultimos anos, o Festival da melancia no Ladoeiro.
É sempre um evento muito concorrido onde se cormecializam muitas toneladas do saboroso fruto
Partilho convosco um pequeno vídeo do Jornal Reconquista de Castelo Branco que nos mostra bem o sucesso deste festival




Blogs

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Bogas de Baixo em festa

Como acontece todos os anos, as festas em honra de Nossa Senhora das Dores e Jesus Adolescente, realizam se em Bogas de Baixo sempre no primeiro ou segundo fim de semana de Agosto
Peço desculpa pela imagem ter baixa qualidade

Por isso nos proximos dias 6, 7 e 8 de Agosto Bogas de Baixo vai estar em festa e este ano embora não conheça toda a equipa da comissão das festas, sei que vão fazer parte muitas senhoras que vão dar tudo o que estiver ao seu alcance para que as festas sejam um exito. É o caso da Elisabete Belchior e da Cristina Simão que fazem parte do grupo de mordomos
Não vou estar presente mas estou a torcer para que tudo corra na prefeição e qeu os emigrantes de Bogas de Baixo regressem depois aos seus paises de acolhimento com a satisfação de terem dado por bem passadas as férias na sua terra natal

Podem visitar a pagian no Facebook que diz respeito ás Festas em honra de Nossa Senhora das Dores e Jesus Adolescente em Bogas de Baixo



Blogs

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Romarias e Festas Populares

Sendo a Malhada Velha uma linda aldeia situada perto da minha nas encostas da serra da Gardunha, tenho o maior prazer em divulgar a sua festa de verão

Estamos em pleno mês de Julho. É neste mês e no mês de Agosto que as nossas aldeias aproveitam as férias dos emigrantes para levarem a cabo as festas de Verão nas suas terras
É o caso de uma aldeia nossa vizinha a Malhada Velha que estará em festa no Ultimo fim de semana deste mês de Julho
Tive conhecimento da programação deste ano que com todo o gosto aqui publico
Esta é a programação das festas da Malhada Velha que prometem alegria e boa disposição
Caros amigos e vizitantes, a Malhada Velha está com muita vontade de vos receber de braços abertos em qualquer altura mas muito especialmente nestes dias de festa
Venham e divirtam se
O vídeo que podem ver de seguida é de imagens da Malhada Velha captadas pelo meu amigo Joferbago



Blogs

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Pequenos prazeres que já estão esquecidos

São prazeres que não deveríamos perder
Antigamente em Bogas não precisávamos de carro para ir ás compras, e ás vezes nem nescessitavamos de sair da nossa rua, pois comércios e tavernas era coisa que não faltavam em Bogas de Baixo


Pelo caminho podia se sempre parar para uns dedos de conversa com o amigo ou vizinho que nos saudava


Estão chegando os nossos conterrâneos desta vez na condição de turistas
Vocês que chegam de varios locais da Europa, já alguma vez pensaram em como é bom ser turista na tua própria terra?
è sempre no Verão a melhor época para umas belas experiencias

A par dos longos dias passados na Piscina da aldeia e dar uns toques de bola no Complexo Desportivo, porque não uns passeios a pé ou de bicicleta, e parar em todas as esquinas das nossas ruas e reparar que todas elas estão bem tratadas e sempre com algo de novo para descobrir?
Pode ainda pegar na familia e rumar ao Penedo Mosqueiro para um animado e suculento piquenique, porque é optimo desfrutar de refeições ao ar livre e sobretudo áquela altitude

Aproveite as condições que o Parque do Penedo oferece, aproveite os grelhadores para fazer uns grelhados que são mais saudáveis e fazem com que o prazer de comer se sinta quando ainda se está a preparar a refeição
Não se esqueçam de levar a geleira e um bom livro para a sesta

Não há nada melhor que sentar se naquela grande esplanada com vistas para o Zêzere, ler um bom livro enquanto saboreia um gelado
Meus caros amigos e conterraneos, espero que cheguem todos bem á nossa terra e divirtam se.
Aproveitem as férias


Blogs