terça-feira, 19 de outubro de 2010

A Gardunha nas Memórias Paroquiais de 1758


As respostas aos interrogatórios enviados pelo Marquês de Pombal aos parocos das cidades, vilas e aldeias do Reino, conhecidas por Memórias Paroquiais, constituem uma rica fonte de informação sobre a realidade Portuguesa de há 250 anos atraz
Agora que a Serra da Gardunha começa a estar na moda, (muitos bloguistas se debruçam nos seus blogues sobre a serra da Gardunha) e obecto de muitos projectos, muitos deles já concretizados, vale a pena recuar até 1758 para a ficarmos a conhecer ainda melhor.

A Serra que principiava a sua maior evidência no Cabeço do Ingarnal e acaba para lá de Vale de Prazeres no Catrão, possuia já nessa época aguas sadias.
O vigário de S. Vicente da Beira escreveu a propósito do rio Ocreza:-- as aguas deste rio teem a particularidade de no caso de haver contagio e mortandade nos gados miudo e graudo, bebendo as suas aguas esse contagio e essa mortandade acabava.
Por esse motivo as terras circunvizinhas como os campos da Idanha e toda a raia, vinham com seus gados ao dito rio beber da sua agua e a mortandade e o contagio entre eles acabava por desaparecer.
E o cura do Louriçal do Campo adiantava a explicação As suas aguas não criavam limbos nem lodos na distancia de duas léguas.
Nesse tempo as aguas limpidas das nascentes das encostas da gardunha enquanto mantinham a sua frieza criavam trutas
Ainda hoje o Cabeço do Ingarnal mantem algumas fontes que para alem de dar de beber aquem tem sede, veem tambem alimentar a ribeira da Almaceda afluente da Ocreza e que jamais seca .
Á qualidade das aguas juntava se uma vida animal e vegetal rica pela sua diversidade e papel desempenhado na vida económica das gentes da montanha


Esta postagem só foi possivel com a ajuda do meu amigo José Martins do Ingarnal que tirou lá do fundo do seu baú de memórias este excerto do jornal Reconquista de 4 de Abril de 2003 e assinado pelo José Teodoro Prata colaborador jornal e tambem autor do blogue ENXERIDOS (clique no link) onde podem descobrir muito sobre o historial das gentes da beira serra

4 comentários:

Ricaebelaserradoacor disse...

Caro amigo Luis Antunes, hoje viemos até ao seu blog dar um passeio e saber novidades de Bogas! Um bom fim de semana!

Ricardo e Bela

luis antunes disse...

Amigos Ricardo e Bela
fizeram muito bem virem até cá porque aqui como na vossa terra a gente sente se bem
Abraços

Anónimo disse...

Tambem eu amigo Luis aqui estou para o cumprimentar e ver coisas lindas da sua terra e região e aproveito para lhe agradecer o comentário que deixou no Voz do Goulinho continuação de bom trabalho e boa saude e disposição para continuar a mostra-nos a beleza da sua terra e terras visinhas.
Vai um abraço amigo

Voz do Goulinho
Ala Poemas ( o poeta do Goulinho )

Anónimo disse...

Obrigado Luis pela publicaçao das memórias paroquiais da Gardunha.Sei
que não tem um grande interesse histórico mas não deixa de ser uma curiosidade.
-Tinha uma outra, esta bem mais curiosa e foi publicada num jornal
que em tempos se publicou em Almaceda e se chamava O MENSAGEIRO.Era seu Director o Padre José Ventura Diogo.Mas esse jornal ficou no baú lá do Ingarnal e possivelmente a ti Neves alguma vez o terá utilizado para acender o lume.Geralmente era este o destino de todos os jornais velhos e este certamente não fugiu à regra.Talvez um dia te conte esta história.