Recomende este blog

São exactamente as nossas raizes culturais, familiares e sociais que nos distinguem.




terça-feira, 22 de abril de 2008

FRASES COM SENTIMENTOS

As frases que vou escrever aqui, não são mais que sentimentos que tenho da aldeia, onde nasci.
Desta aldeia sinto-me filho, e esse sentimento não se deve perceber como inútil; é bom conhecermos onde e quem nos criou, e isto não é mais do que uma tentativa de transcrição do que me parece existir neste meu meio criador.

A aldeia de Bogas de Baixo é a sede da freguesia rural mais a sul do Concelho de Fundão.
Tradicionalmente a principal ocupação das suas gentes ligava-se aos trabalhos no campo; na agricultura.
Nota se a ausência de muitos que aqui nasceram e no estrangeiro procuraram encontrar melhores condições de vida


Seria mesmo impossível ficar por aqui, pela escassa saída profissional.
Nos ultimos vinte anos, tem se notado uma relativa melhoria, nas condições de vida, mas não se conseguiram as pretenções para que seus filhos permanecessem na terra e continuassem a aprender as primeiras letras na escola que em tempos teve um grande numero de alunos dos quais eu fiz parte. De cá, mesmo ultrapassando todos os entraves que o sistema educativo nos oferecia, foram ainda assim ,saindo alguns doutores, engenheiros, vários técnicos também, e demais profissionais que espalhados pelo País e estrangeiro fazem com que Bogas de Baixo não esteja de todo esquecida. .

Desde há muito, que as gentes, ou o povo, de Bogas de Baixo labutam pelo estrangeiro e estão associados à imagem de bons operarios e bons profissionais. Da actividade comercial que em tempos Bogas possuia , lembro me da loja do Sr Jose Martins, a loja do Sr Anibal,a loja do Sr Alberto, as tabernas do ti Zé Antònio o café do Sebastião Tomas e mais 3 ou 4 que não me lembro o nome, restam-nos apenas dois cafés O Ponto de Encontro e o Central que se queixam de estar ás moscas.
Com os melhoramentos que se teem feito tanto em obras de raiz como na preservação das nossas casas antigas, mesmo assim, a autenticidade, tipicidade ou simpatia ainda não conseguem cativar turistas e forasteiros à Aldeia.

Tradições e outros acontecimentos.
Lembro me dos grandes festejos de entrudo com cantadas a partir do cabeço da volta, da festa dos chouriços com um belissimo ramo bem recheado do apetitoso fumeiro e outros artigos de fazer crescer agua na boca que se vendia por leilão no adro da igreja, dos nossos teatrinhos , da banda filarmónica, e de muitas outras tradições da nossa terra. Agora resta nos a festa de verão em honra de Nossa Senhora das Dores se houver carolas que com o seu trabalho a possam realizar.
O POVO
A gente de Bogas de Baixo é simpática, acolhedora e capaz do mais claro sorriso, ou do desejar fácil de "bom dia".
Enquanto virada para a sua vida, vive fechada nas suas mais intimas preocupações, e abstraída do viver alheio.
Claro que, em situação de carência de tema de conversa , a gente de Bogas, também é capaz de dar azo a contos muito imaginativos,e a historias verdadeiras tal como eu estou a fazer, e pelo que sei, esta não é uma face exclusiva das gentes desta terra

A inércia que resulta deste aconchego, esperemos que va desaparecendo aos poucos, como normalmente acontece com tudo o que se descobre que não vai bem, vai dissolver-se com a injecção de novo sangue dos nossos emigrantes e de outras gentes que se adivinha chegarem cá e a quem acho se dever pedir o melhor interesse pelo que de bom há por aqui; o que está à vista e todo o resto que ainda existe para descobrir.