domingo, 2 de dezembro de 2007

RECORDACÕES ATRAVÉS DO TEMPO

Ainda as estradas da região nem tinham asfalto, era tudo em terra batida
cada vez que aparecia um veículo a circular por elas a gente notava ao longe que iamos ter visitas
Era bem longo o tempo de espera entre um e outro carro que passava
quer isto dizer que não era como hoje
Os carros aumentaram muitas centenes e centenas de vezes em quantidade e fazem longas filas para chegar aos centros urbanos
Naquele tempo isso não acontecia
Os carros a circular nas estradas deixavam uma cauda de pó a fazer lembrar os aviões a jacto
Eu e os meus companheiros de então á hora da chegada da camioneta que fazia a carreira de castelo branco para Bogas íamos por aí fora calcorreando matos subindo barreiras e quando ja estavamos a uns 2 ou 3 kms de distancia ficavamos ali numa das muitas curvas da estrada á espera que o autocarro aparecesse
e quando aparecia la iamos nós agarrar nos á escada que existia atraz no autocarro e dava acesso ao tejadilho onde na altura eram transportadas a s mercadorias dos passageiros. Uma vez empoleirados na escada aí vinhamos nós de boleia até á povoação e quando chegavamos pariciamos os moleiros de então cheios de farinha
nós vinhamos sim carregadinhos de pó
Tempos que já não voltam

se os meus avós hoje viessem ver cá á terra como isto evoluiu voltariam a morrer desta vez de espanto
Sabe bem recordar